Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, agosto 17, 2009

Uma defesa de Richard Dawkins



Minha defesa de Richard Dawkins no artigo impublicável "A perigosa persistência do determinismo social".

PS: OK, OK, eu sei que não dá para ler. Melhor ler no original...

2 comentários:

Peregrino disse...

O que gosto de muitos teístas é que boa parte são sensatos e saber o valor que tem nosso mundo e o viver, permitindo o mesmo ao próximo e sendo positivistas, empiristas não se entregam facilmente a falacias corriqueiras e infundaveis perante a ciência. Digo isso pois sou contra toda forma de religionização de teorias sejam quais forem que tornem seus "seguidores" em quase fanáticos irredutiveis. Mas tal como a exemplo do determinismo que sendo criacionista-teísta sou contra, não acredito nem mesmo num Deus igualmente irretutivel e pirracendo de modo que obriguem a nós determinado designo. O determismo em todas as suas camadas negam plenatemente a autonomia humana em seu livre-arbitrío.

Filho de Deus disse...

Caro colega peregrino, não se pode saber o sabor de alguma fruta sem antes prová-la! É a lei da pesquisa científica, tudo o que temos como gnose humana, são pressuposto! Deus é tangível quando, sem preconceitos e absurdos funfamentalistas ateus, deixo o fenômeno falar por si mesmo! O inteligente vê, atesta e prova o contrário é falador vão sem conhecimento das coisas basilares! No fim desta estrada entenderemos melhor todas as coisas criadas! A qual vc, querendo ou não é uma! Quandot ao seu mentor Richard Dawkins, é uma pessoa rejeitada e magoada com a vida, porque , querendo ele ser Deus, acaba por invejar o lugar de Deus. Ele nem sequer chega próximo do seu mentor maior Darwim, que antes de morrer, no seu último discurso arrepndeu-se de elaborado essa teoria, que até hoje não recebeu patente oficial, por teoria! Só um bucéfalo não compreende essas coisa. E além do mais, vc, precisa frequentar umas aulinhas de língua portuguesa, seus têrmos tornaram-se anômalos, pela ponta de sua caneta, reveja sua posição vc, é novo.