Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, agosto 31, 2009

A ciência define o que é politicamente correto?


Marina Silva tomou uma decisão "irrevogável" e não revogou mesmo!

Por algum motivo não consegui colocar esta resposta nos comentários doBlogger. Então vai aqui mesmo:

Luis, cuidado com a cegueira ideológica, rapaz! Marina faz parte da teologia da Libertação, a turma que se aliou (e morreu) na luta contra as ditaduras de Somoza, San Salvador, etc. A mesma turma que sustentou o PT em várias cidades, sem perder a fé na atuação política, na época da queda do muro, enquanto que muitos ateus deram chiliquinho e abandonaram a luta social. Mesmo agora sendo evangélica, continua com a mesma postura (existem muitos evangélicos de esquerda, não sei se você sabe disso).  

Vamos fazer uma interpretação mais contextualizada das declaraçoes dela? OK, ela participou de um congresso criacionista (mais tarde vou verificar que congresso e porque foi convidada). Na primeira declaração a favor do ensino plural nas escolas confessionais ela está afirmando que em tais escolas deveria se ensinar também o evolucionismo, e nao apenas o criacionismo como as escolas adventistas estavam fazendo. É por isso que ela usa a bíblia para tentar convencer seu interlocutor adventista de que "devemos examinar todas as coisas e reter o que é bom" em vez de ficar unilateralmente ensinando o criacionismo. Entendeu?  

Quanto à declaração dirigida aos evangélicos (você notou o público e o contexto? Obama também usa referencias bíblicas quando se dirige aos evangélicos), o que ela está querendo dizer é simplesmente: votem em políticos honestos em vez de políticos com a "esperteza do mundo" (esta expressão significa malícia, desonestidade que apóia o status quo ("o mundo"). É uma expressão típica dos evangélicos. Não significa "expertize ou ciência do mundo secular" (risos) como você aparentemente está interpretando. "A Palavra de Deus nos ensina em quem devemos votar. Basta olharmos o que diz e compararmos com os candidatos. Se ele se encaixar nos princípios bíblicos merece nosso voto" - Que princípios bíblicos ela está citando? Honestidade e preocupação com o próximo. Ela está dizendo que são esses principios que voce tem que seguir ao avaliar o candidato, e não se ele é evangélico ou pertence a uma igreja ou não. (Ela está lutando contra os currais eleitorais evangélicos). 

"Transgênicos e Aborto: Evangélica, batalhou para barrar a pesquisa com células-tronco e transgênicos, mas foi derrotada na votação da Lei de Biossegurança. Se opõe à descriminalização do aborto. Em 2001, deveria relatar um projeto na Comissão de Assuntos Assuntos Sociais, mas renunciou ao posto" Ela é contra transgenicos não por ser evangélica (os evangélicos não têm posição sobre isso - eu aposto que os evangélicos conservadores americanos são a favor dos transgenicos!). Assim como inúmeras ONGs ambientalistas, ela é contra os transgenicos porque vê o mercado dominado por poucas corporações em detrimento dos interesses dos agricultores (conforme esclarece na Revista Veja desta semana). Certamente não é pelo fato de ser evangélica - os evangélicos da bancada ruralista são a favor dos transgênicos.

Quanto ao aborto, é ótimo que suas razoes sejam religiosas e ela não pretenda ser científica - pois isso a faria uma pseudocientista. Ela afirma em suas entrevistas que é uma opção de conciencia dela mas não condena as mulheres que fazem o aborto. Para decidir isso ela diz que o foro é o Legislativo, não o Executivo, ou talvez um plesbicito. Imagino que tenha a mesma posição em relação à pena de morte. Por falar nisso, ser contra a pena de morte por razões religiosas é ser contra a ciência ou o laicismo? Você acha que a decisão sobre pena de morte no país deve ser decidida apenas por critérios científicos? Eu acho que é possivel provar cientificamente que a pena de morte diminui a criminalidade (afinal, extermina os criminosos). Deve ter um paper sobre isso publicado na China. Mas, e dai? 

Reconheço que são posições conservadoras. Mas não creio que ser contra o aborto equivalha a ser conta a ciencia. Você acha que todo cientista que for contra o aborto ou descriminização da maconha é um pseudocientista? Acho que a atitude de Marina na Comissão de Assuntos Sociais foi exemplar: dado que sua opção religiosa poderia afetar seu relatório, e reconhecendo que sua opinião é privada e não deveria afetar a vida de outras pessoas, preferiu renunciar ao cargo de relatora em vez de fazer um relatório tendencioso. Acho que o que você está querendo dizer é que "a ideologia religiosa" de Marina afeta suas opiniões políticas. Sim, concordo, as ideologias servem para isso mesmo. 

Bento, a sua ideologia de vida (que, como toda ideologia de vida - por definição Bento - não é científica mas filosófica ou metacientífica) também afeta e configura as suas posições políticas, mas isso não implica que você seja um anti-cientista. Ou você acha que o marxismo é ciência? Se for assim, marxistas e psicanalistas não podem ser presidentes, pois acreditam em ideologias não-científicas...  

Acho que você não entendeu ainda que as pessoas fazem política ou por interesses economicos e de poder, ou por ideologia politica ou ideologia religiosa. Ou você está no PT porque a ciência lhe prescreveu isso? Você me mostra o paper onde se demonstra que o PT é melhor que o PSDB? Saiu na Nature? Se não saiu, deveria, pois seria um paper sui generis...  

PS: Você ainda está devendo à Maria Guiumarães e a mim as referências sobre a afirmativa de que Marina quer fechar hidrelétricas... Gostaria de examinar a referência sobre a posiçao de Marina contra pesquisa de células tronco, de preferência de primeira mão. Ou você agora confia em jornalistas?
Comento a questão da liberalização da maconha no próximo post.

4 comentários:

Luiz Bento disse...

Acho que não era necessário um post inteiro para discutir um comentário, mas já que foi aberto. Vamos lá.

"Cegueira ideológica" é um argumento que muitos religiosos gostam de usar contra ateus. Acho que não preciso retrucar isso. Se ela defende ou não a teologia da libertação e isso não influencia ela nos aspectos que estamos discutindo. Muitas pessoas defendem publicamente certos argumentos e depois mudam. Como vimos no posicionamento da Marina em relação ao criacionismo.

Ensino plural é argumento clássico de criacionista. Ela reafirma que é a melhor opção, não só em escolas adventistas, é ensinar ambas as posições. Criacionismo não é uma posição para ser ensinada ao lado do evolucionismo. Existe uma literatura bem extensa neste contexto e acho que não vale a pena discutirmos isso de forma rasa.

Quanto a entrevista sobre políticos evangélicos ela diz que os melhores políticos são aqueles que se encaixam nos princípios bíblicos. Então ateus não são bons políticos? Você fez a sua interpretação do discurso dela, acho difícil ficarmos discutindo encima disso. Ainda mais no contexto de declarações anteriores dela.

Citei os transgênicos porque eles estavam na reportagem. O contexto de discussão entre ciência e religião é quanto ao aborto e pesquisa com células tronco. Se você e os ambientalistas são contra qualquer tipo de transgênico não quer dizer que eles realmente são ruins. Questão de opinião pessoal.

Usar razões científicas para ser a favor do aborto faria ela pseudocientífica? Acho que isso está longe de ser verdade. Minha mãe é a favor do aborto em determinados casos por motivos científicos. Risco para a mãe e a formação muito inicial da criaça. A ciência nos diz isso. Ela não é pseudocientífica por causa disso. Você afirma que usar argumentos religiosos neste caso é melhor. Sinceramente não consigo entender.

Por favor não generalize. Não disse em nenhum momento que ser contra o aborto é ser contra a ciência. Ser contra o aborto por motivos religiosos para mim é uma posição ruim. Ponto final. A ideologia dela afeta o seu posicionamento político de forma que grande parte desses posicionamentos seriam equivocados na minha opinião. Outro ponto final. Acho que você poderia tomar um pouco mais de cuidado nas interpretações dos comentários feitos no seu blog. Talvez seja por isso que o Dedalus e o João sejam mal interpretados por você.

Eu não estou no PT nem nunca me filiei a nenhum partido. Perguntar se ciência indica alguma posição partidária é uma fuga do assunto original.

E quanto a fonte da Marina falando de hidrelétricas, eu já enviei para a Maria, mas ela ainda não publicou. A posição da Marina em relação a células tronco é clara quando ela ajudou a impedir que uma lei fosse aprovada sobre este assunto. Não é entrevista ou opinião de jornalista. É fato. A reportagem que eu citei da Isto é reforça ainda mais isso, já que a Marina colocou como pré-requisito a sua entrada no PV que o aborto e o estudo como células tronco não fosse defendido.

Acho engraçado que você usa reportagens da globo e da Veja para ressaltar a Marina e quando eu uso reportagens do Estadão e da Isto é você considera parcial. Acho que você precisa rever estes conceitos.

Osame Kinouchi disse...

Luis, você colocou um monte de pontos finais, então não sei se devo responder. Mas vá lá, acredito que o nível do debate está se elevando, o que é muito bom.

"Cegueira ideológica" é um argumento que muitos religiosos gostam de usar contra ateus. Eu sou ateu, mas mesmo assim me reservo o direito de detetar cegueira ideológica quando outros ateus interpretam declarações de pessoas fora do contexto, usam falácias lógicas ou mesmo não conseguem ler o que foi escrito. Quando eu caio em contradições ou uso falácias, não tenho grande dificuldade em reconhecer o erro. Peço desculpas, dou risada e bola prá frente. É apenas uma questão de honestidade intelectual, nada mais.

Ainda acredito que no contexto da entrevista do Youtube que voce citou, Marina está defendendo o pluralismo dentro das escolas confessionais, ou seja, defendendo que o evolucionismo também seja ensinado. Senão,não faria sentido aquela frase sobre experimentar tudo e reter o que é bom. Mas é possível que ela tenha defendido o "pluralismo" no sentido criacionista, em outras ocasiões. Vai ver que andou lendo Feyrabend. A verificar.

"Quanto a entrevista sobre políticos evangélicos ela diz que os melhores políticos são aqueles que se encaixam nos princípios bíblicos. Então ateus não são bons políticos?" Pelo que entendo de lógica, sua conclusão é um non sequitor. Entre um evangélico desonesto e um ateu honesto, acho que Marina votaria no segundo, pois o segundo age segundo princípios bíblicos. Já "crer em Deus" não é um princípio bíblico de comportamento, pois como disse Jesus "Satanás também crê em Deus, e dai?". O pessoal da Teologia da Libertação apoiou politicamente inumeros politicos ateus marxistas.

Osame Kinouchi disse...

Descobri, o problema é que o comentário estava muito longo, o Blogger não permite. Continuando:
"Usar razões científicas para ser a favor do aborto faria ela pseudocientífica? Acho que isso está longe de ser verdade. Minha mãe é a favor do aborto em determinados casos por motivos científicos."
Acho que este é mais um exemplo de que você não está lendo direito o que escrevi. Eu disse que tentar usar razoes científicas CONTRA o aborto é ser pseudocientífico, porque não existem razões científicas contra o aborto, é uma questão de opção existencial (assim como ser vegetariano ou defender que animais não devem ser mortos, como os budistas).

Agora, usar razões científicas A FAVOR do aborto é legítmo, existem boas razões sociais para defender o aborto. Mas isso não significa que ser contra é anti-científico. Mesmo se um paper na Nature mostrar que a pena de morte diminui o crime, eu continuarei sendo contra a pena de morte.

"Você afirma que usar argumentos religiosos neste caso é melhor. Sinceramente não consigo entender."
Deixa eu ver se consigo me fazer entender: usar argumentos científicos para defender opções que no fundo são políticas ou religiosas se chama cientificismo. Eu sou contra o cientificismo, porque ele é prejudicial à ciência.
Portanto, reconhecer que uma opinião tem origem religiosa em vez de querer mascara-la como científica (como fazem os criacionistas "cientificos") é melhor e mais honesto. Ou não?

"Ser contra o aborto por motivos religiosos para mim é uma posição ruim. Ponto final." Não entendo porque. Ser contra a tortura, a guerra ou a pena de morte por motivos religiosos é ruim? Afinal, não existem argumentos científicos para se defender o pacifismo e os direitos humanos. Você conhece algum? Acho que o ateu Nietzsche já demonstrou que tais valores não tem base racional e que uma sociedade de castas pode ser racionalmente defensável.

"Acho que você poderia tomar um pouco mais de cuidado nas interpretações dos comentários feitos no seu blog. Talvez seja por isso que o Dedalus e o João sejam mal interpretados por você." Você poderia apontar uma instância onde interpretei mal o João ou o Dedalus? Estou pronto para reconhecer o erro.

"Eu não estou no PT nem nunca me filiei a nenhum partido. Perguntar se ciência indica alguma posição partidária é uma fuga do assunto original." Não é fuga, este é o assunto principal do debate. Mostrar que a ciencia não determina posições politicas e ideologicas e que portanto tais posições podem se basear em posições filosoficas (seculares ou religiosas) sem que isso seja um problema ou uma atitude anticientifica.

Sim, concordo, Marina foi contra pesquisa com celulas tronco embrionárias. Precisamos verificar se ela mantém essa posição.

Pelo que entendo do acordo com o PV, ele diz que Marina não será obrigada a defender publicamente o aborto, a cannabis e as pesquisas com celulas tronco embrionarias por uma clausula de consciencia. A mesma clausula defende que outros politicos do PV como Gabeira podem defender isso sem qualquer veto de Marina. Acho que toda pessoa que é a favor da regulamentação do comércio de drogas deveria votar no PV, pois essa bandeira continuará a ser defendida por importantes personagens do partido.

Osame Kinouchi disse...

Quanto à sua observação final, não é contraditório que eu use Veja e Estadão, pois não desqualifico tais fontes a priori apenas por serem de direita. Mas em algum lugar você chamou tais veículos de Serristas, desqualificando-os a priori, de modo que seria contraditório usá-los na argumentação. Mas isso é um lapso menor, não o critico por isso.

A caminhada na avaliação de quem é o melhor candidato é longa. Vou tentar evitar usar retórica ou brincadeiras como aquela do leitor anti-Marina do Estadão, acho que já lhe pedi desculpas. Vamos elevar o nível do debate, creio que é uma oportunidade única para a questão das relações entre religião e politica, e se ateus devem preferir candidatos ateus nas votações sem ponderar outros aspectos politicos.
Uma caminhada longa (nem sabemos se Dilma vai continuar a ser candidata em 2010!) que não merece um ponto final, concorda?