Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, dezembro 31, 2008

Wikipédia


Acho que vale a pena reproduzir esse apelo da Wikipédia. E também sugerir que blogueiros de ciencia, professores e estudantes editassem a Wikipédia em portugues (meu teclado está sem acento circunflexo, depois conserto isso).

Caro leitor,

Hoje gostaria de pedir-lhe para apoiar a Wikipédia com uma doação. Isto pode parecer incomum: Por que um dos cinco domínios mais populares da web pediria suporte financeiro aos seus usuários?
A Wikipédia é construída de maneira diferente dos outros primeiros 50 sites. Temos um pequeno número de funcionários pagos, apenas vinte e três. Todo o conteúdo da Wikipédia é livre para uso por qualquer pessoa e para qualquer finalidade. Nossas despesas anuais são inferiores a seis milhões de dólares. A Wikipédia é mantida pela Wikimedia Foundation, uma organização sem fins lucrativos, fundada por mim em 2003.
Em sua essência, a Wikipédia é movida por uma comunidade global de mais de 150.000 voluntários - todos dedicados ao livre intercâmbio de conhecimentos. Ao longo de quase oito anos, estes voluntários contribuíram com mais de 11 milhões de artigos em 265 línguas. Dessa forma, mais de 275 milhões de pessoas podem buscar em nossos sites todos os meses informação gratuita e livre de publicidade.
Mas a Wikipédia é mais do que um site. Nós compartilhamos uma causa: Imagine um mundo onde qualquer pessoa têm livre acesso à soma de todo o conhecimento humano. Este é o nosso compromisso.
Sua doação nos ajuda de diversas maneiras. Principalmente, você nos ajudará a cobrir os custos crescentes para manter o tráfego a um dos sites mais populares da Internet. Recursos também podem nos ajudar a melhorar o software da Wikipédia - tornando mais fácil a pesquisa, a leitura e a edição. Estamos empenhados em fazer crescer o movimento pela livre circulação do conhecimento ao redor do mundo, através do recrutamento de novos voluntários e da construção de parcerias estratégicas com instituições culturais e de aprendizagem.
A Wikipédia é diferente. É a maior enciclopédia da história, e é escrita por voluntários. Como em um parque nacional ou em uma escola, não acreditamos que a publicidade deva ter lugar na Wikipédia. Queremos mantê-la livre e forte, mas precisamos do apoio de milhares de pessoas como você.
Eu o convido a juntar-se a nós: Sua doação ajudará a manter a Wikipédia livre para todo o mundo.
Obrigado,
Jimmy Wales
DOE AGORA »

terça-feira, dezembro 30, 2008

Nerd Girls Blog





Achei este blog por puro acaso: Nerd Girls Blog. O Nerd Girls Movement foi tratado em uma reportagem na Newsweek:
Revenge of the Nerdette
As geeks become chic in all levels of society, an unlikely subset is starting to roar. Meet the Nerd Girls: they're smart, they're techie and they're hot.
Um post do blog:


Chic Geek of the Week: Natalie Portman


Written by Amy Lynch on July 16, 2008


Starlets. They’re everywhere. On television, in magazines, splashed across the Internet, and constantly in our faces, the Hollywood It Girl is as ubiquitous as oxygen. We can’t seem to escape her, and some of us admittedly don’t want to. But to those of us who pride ourselves on our intelligence, aren’t some of these so-called role models rather… uninspiring?
Here at Nerd Girls, we like to give props to girls who say what they mean and mean what they say. And when they’re smart, isn’t what they say a whole lot more interesting? We think so too. That’s why we’ll be featuring a “Chic Geek of the Week” here on the pop culture section of our blog. Each week, we’ll highlight an intelligent force in the entertainment industry who’s making the world better with her brains. Why? Because smart is the new sexy.
First up, the holy grail of intelligent hotness. She sets the standard for smart young Hollywood. She’s a Harvard grad. She’s a vegetarian who speaks five languages. She’s given a counterterrorism lecture at Columbia University. And, oh yeah, she’s Queen Amidala too.

Although Natalie Portman made her screen debut at age 13 in The Professional, she refused to trade in her education for fame. A straight-A student throughout high school, her “Enzymatic Production of Hydrogen” paper was entered in the Intel Science Talent Search, and during her studies at Harvard, she served as a research assistant in a psych lab and, separately, as an assistant for respected legal and political pundit Alan Dershowitz. She also participated in a memory study entitled “Frontal Lobe Activation During Object Permanence.” She received her bachelor’s degree in psychology in 2003. Since then, she has taken an active role as the Ambassador of Hope for FINCA, a microfinance organization encouraging female entrepreneurialism in third world countries, all while pursuing her graduate studies and acting in feature films.
Why aren’t there any photos of her strolling down the red carpet at the American premiere of Star Wars: Episode I? Reportedly, she skipped out on the event to study for finals. Clearly, the girl who once told a reporter, “I’d rather be smart than a movie star” is decidedly both.

Leitura de Férias no Review of Modern Physics





Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193 Aveiro, Portugal and A. F. Ioffe Physico-Technical Institute, 194021 St. Petersburg, Russia

J. F. F. MendesDepartamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193 Aveiro, Portugal
Published 6 October 2008


The combination of the compactness of networks, featuring small diameters, and their complex architectures results in a variety of critical effects dramatically different from those in cooperative systems on lattices. In the last few years, important steps have been made toward understanding the qualitatively new critical phenomena in complex networks. The results, concepts, and methods of this rapidly developing field are reviewed. Two closely related classes of these critical phenomena are considered, namely, structural phase transitions in the network architectures and transitions in cooperative models on networks as substrates. Systems where a network and interacting agents on it influence each other are also discussed. A wide range of critical phenomena in equilibrium and growing networks including the birth of the giant connected component, percolation, k-core percolation, phenomena near epidemic thresholds, condensation transitions, critical phenomena in spin models placed on networks, synchronization, and self-organized criticality effects in interacting systems on networks are mentioned. Strong finite-size effects in these systems and open problems and perspectives are also discussed.


Statistical physics of social dynamics
Claudio Castellano, Santo Fortunato and Vittorio Loreto
Statistical physics has proven to be a very fruitful framework to describe phenomena outside the realm of traditional physics. The last years have witnessed the attempt by physicists to study collective phenomena emerging from the interactions of individuals as elementary units in social structures. Here we review the state of the art by focusing on a wide list of topics ranging from opinion, cultural and language dynamics to crowd behavior, hierarchy formation, human dynamics, social spreading. We highlight the connections between these problems and other, more traditional, topics of statistical physics. We also emphasize the comparison of model results with empirical data from social systems.
Accepted Mon Nov 3, 2008


Fractal structures in nonlinear dynamics
Jacobo Aguirre, Ricardo L. Viana and Miguel A. F. Sanjuan
Besides the striking beauty inherent to their complex nature, fractals have become a fundamental ingredient of nonlinear dynamics and chaos theory since they were defined in the 1970s. Moreover, fractals have been detected in nature, in most fields of science, with even a certain influence in arts. Fractal structures appear naturally in dynamical systems, in particular associated to the phase space. The analysis of these structures is especially useful for obtaining information about the future behavior of complex systems, since they provide fundamental knowledge about their relation with uncertainty and indeterminism. Dynamical systems are divided in two main groups, Hamiltonian and dissipative systems. The concepts of attractor and basin of attraction are related to dissipative systems. In the case of open Hamiltonian systems, there are no attractors, but we have the analogous concepts of exit and exit basin. Therefore, basins formed by initial conditions can be computed both in Hamiltonian and dissipative systems, being some of them smooth and some of them fractal. This fact has fundamental consequences in our ability to predict the future of the system. The existence of this deterministic unpredictability, usually known as final state sensitivity, is typical of chaotic systems, and makes deterministic systems become, in practice, random processes where only a probabilistic approach is possible. The main types of fractal basins, their nature, and the numerical and experimental techniques used to obtain them both from mathematical models and real phenomena are described here, with special attention to their ubiquity in different fields of physics.
Accepted Fri Oct 3, 2008


Figura: The Internet is a scale-free network in that some sites have a seemingly unlimited number of connections to other sites. This map, made on February 6, 2003, traces the shortest routes from a test Web site to about 100,000 others, using like colors for similar Web addresses. (Image credit: Internet Mapping Project of Lumeta Corporation; Legend credit: Scientific American)

domingo, dezembro 28, 2008

Dúvidas sobre o reducionismo


(Inspirado pelos artigos do Ariel Caticha)



Eu tenho uma listinha (incompleta) de termos que possuem uma ordem ascendente de abstração que me fazem duvidar da afirmação que a Física é materialista (no sentido clássico da palavra). Acho que o único termo que possui análogos à características clássicas como impenetrabilidade da matéria são os férmions, via Princípio de Pauli. Já os bósons, com seus condensados de Bose-Einstein, são uns caras bem esquisitos (OK, os férmions são quanticamente esquisitos também). Minha lista ou escada é:

Consciência
Significado
Informação
Entropia
Probabilidade
Temperatura
Energia
Bósons
Férmions

Energia é um conceito bem mais abstrato do que as pessoas imaginam, acho que já comentei isso aqui. As pessoas pensam em energia como se fosse um fluido (talvez composto por “partículas de energia”) que se transmite de um corpo a outro, o velho conceito de calórico do século XVIII ressuscitado pela Nova Era. Mas energia, em Física, é um conceito muito abstrato: partículas possuem energia cinética e sistemas de partículas podem possuir energia potencial (que é uma propriedade sistêmica), ou seja, energia é uma propriedade, não é feita de partículas de energia.


Temperatura é mais abstrata no sentido de ser uma propriedade estatística, relacionada com a energia cinética média de partículas medida no referencial de centro de massa das mesmas. Até hoje existem controvérsias sobre como a temperatura se transforma mudando-se o referencial na relatividade restrita...


Acho que a partir daí todos os termos incluem conceitos como probabilidade e inferência estatística. E daí não fica claro se esses andares representam níveis de emergência, realidades que seriam redutíveis aos níveis de baixo. Pois afinal, Bayesianamente, probabilidades são definidas em termos de crenças racionais. Como diz Ariel Caticha:

(...) the objective Bayesian view considers the theory of probability as an extension of logic. It is said then that a probability measures a degree of rational belief. It is assumed that the objective Bayesian has thought so long and hard about how probabilities are assigned that no further reasoning will induce a revision of beliefs except when confronted with new information. In an ideal situation two di¤erent individuals will, on the basis of the same information, assign the same probabilities.

Me parece então que para se definir probabilidade precisamos de agentes racionais capazes de manter crenças, mesmo sem consciência, sejam eles animais, vegetais, bactérias espertas ou autômatos inteligentes, ou seja, processadores de informação. Wiener dizia que termostatos possuem crenças tipo “está muito frio aqui”, “está muito quente aqui” e “está bom aqui”... Mas então, parece que o degrau “Probabilidade” depende dos andares de cima, de modo que minha hierarquia de abstrações não parece muito boa.
Subindo a escadinha, encontramos conceitos cada vez mais abstratos, muitos deles sem uma definição clara mas que não podem ser desprezados. Acima de informação, eu coloco significado (informação semântica). Não podemos, por exemplo, afirmar que a palavra “significado”, por não estar bem definida, não tem significado, isso seria uma contradição lógica.
Em todo caso, vemos por essa escadinha que a partir de certo momento não entendemos bem o significado dos termos e portanto a ciência do século XXI tem um longo caminho a percorrer. A ciência não é materialista, nem fisicalista, nem mesmo naturalista. Talvez seja “informacional”, o que quer que isso “signifique”...

Fundamentos éticos da Teoria de Probabilidades


Acho que finalmente entendi o conceito Bayesiano de probabilidades. Antes tarde do que nunca! É claro que eu poderia ter aprendido isso muito antes, com o livro do Jaynes tão recomendado pelo Nestor Caticha. Acho que na verdade aprendi, depois esqueci, depois li de nôvo, depois esqueci de novo. “Apreender” é diferente de aprender. Acho que envolve uma mudança de Gestalt, uma espécie de momento de “iluminação”.


Isso aconteceu devido a dois acidentes (na verdade três): a) estou sem internet em casa, ou seja, sem essa máquina de perder tempo; b) este computador tinha uma pasta com alguns artigos em pdf, entre eles o ótimo Lectures on probability, entropy and statistical mechanics de Ariel Caticha, que me fora mandado há um bom tempo atrás pelo Nestor; c) eu havia terminado o livro Artemis Fowl – Uma aventura no Ártico e estava sem nada para ler na noite de Natal (escreverei um post sobre isso outro dia).


Além do conceito de probabilidade Bayesiano, foi muito esclarecedor a discussão sobre entropia, em particular sua ênfase de que entropia não é uma propriedade física do sistema, mas depende do grau de detalhe na descrição desse sistema:

The fact that entropy depends on the available information implies that there is no such thing as the entropy of a system. The same system may have many different entropies. Notice, for example, that already in the third axiom we find an explicit reference to two entropies S[p] and SG[P] referring to two different descriptions of the same system. Colloquially, however, one does refer to the entropy of a system; in such cases the relevant information available about the system should be obvious from the context. In the case of thermodynamics what one means by the entropy is the particular entropy that one obtains when the only information available is specified by the known values of those few variables that specify the thermodynamic macrostate.

Aprendi outras coisas muito interessantes no paper, cuja principal virtude acho que é a clareza e o fato de reconhecer os pontos obscuros como realmente obscuros. Imagino que este texto poderia ser a base de uma interessante disciplina de pós aqui no DFM. Eu ainda o estou estudando, e o recomendo aos meus amigos frequentistas. Mas é claro, eu não pude resistir em dar uma olhada no capítulo final, onde encontrei esta intrigante conclusão:

Dealing with uncertainty requires that one solve two problems. First, one must represent a state of knowledge as a consistent web of interconnected beliefs. The instrument to do it is probability. Second, when new information becomes available the beliefs must be updated. The instrument for this is relative entropy. It is the only candidate for an updating method that is of universal applicability and obeys the moral injunction that one should not change one´s mind frivolously. Prior information is valuable and should not be revised except when demanded by new evidence, in which case the revision is no longer optional but obligatory. The resulting general method - the ME method - can handle arbitrary priors and arbitrary constraints; it includes MaxEnt and Bayes-rule as special cases; and it provides its own criterion to assess the extent that non maximum-entropy distributions are ruled out.


To conclude I cannot help but to express my continued sense of wonder and astonishment at the fact that the method for reasoning under uncertainty - which presumably includes the whole of science - turns out to rest upon a foundation provided by ethical principles. Just imagine the implications!


Acho que este último parágrafo merece um comentário em um próximo post...
A ser lido:

Authors: Ariel Caticha

(Submitted on 8 Aug 2008)

Abstract: Entropic dynamics, a program that aims at deriving the laws of physics from standard probabilistic and entropic rules for processing information, is developed further. We calculate the probability for an arbitrary path followed by a system as it moves from given initial to final states. For an appropriately chosen configuration space the path of maximum probability reproduces Newtonian dynamics.
Foto: Ariel Caticha.

segunda-feira, dezembro 22, 2008

Histórias de Natal



É pena que a Teologia da Libertação tenha sido destruída pelo atual papa, na década de 80. Sem uma leitura política, a Bíblia é incompreensível. Neste interessante comentário do Reinaldo, vemos que "Filho de Deus" não é um termo de uma ontologia transcendental, mas político, usado por faraós, imperadores e aqueles que quiseram combatê-los...






O jeito moderno de representar as histórias bíblicas do nascimento de Jesus normalmente as transforma em tocantes contos para crianças, mas é bastante possível que os primeiros cristãos as lessem como manifestos políticos, além de espirituais. Essa é a tese de um livro que acaba de chegar ao Brasil, escrito por dois especialistas nas origens do cristianismo, o americano Marcus Borg, da Universidade do Oregon (EUA), e o irlandês John Dominic Crossan, da Universidade DePaul (também nos Estados Unidos).

O livro “O primeiro Natal – o que podemos aprender com o nascimento de Jesus” deixa em segundo plano as questões sobre os detalhes históricos da vinda de Cristo ao mundo. A intenção dos pesquisadores é descobrir o que os evangelistas Mateus e Lucas, autores das duas narrativas sobre a natividade (o nascimento de Jesus) que foram preservadas na Bíblia cristã, queriam expressar com seus textos. Para eles, o tema comum por trás das narrativas é a rejeição do projeto imperial de Roma, que dominava um quarto da população do planeta na época, em favor de um projeto alternativo para a humanidade, representado por Jesus e seu evangelho.

“As histórias do primeiro Natal são, em geral, anti-imperiais. Em nosso contexto, isso significa afirmar, seguindo as histórias da natividade, que Jesus é o Filho de Deus (e o imperador não é), que Jesus é o Salvador do mundo (e o imperador não é), que Jesus é o Senhor (e o imperador não é), que Jesus é o caminho para a paz (e o imperador não é)”, escrevem os autores.
(...)
O pano de fundo para esse golpe de mestre cristão é, avaliam os pesquisadores, a chamada teologia imperial romana, que ganhou força com a chegada ao poder de Augusto, o primeiro imperador de Roma, que governou de 27 a.C. a 14 d.C. Como forma de reforçar o domínio romano sobre as vastas regiões do Império, Augusto e seus propagandistas (como o poeta Virgílio, autor do épico “A Eneida”) incentivaram a transformação do governante numa figura divina, cujo mando firme teria trazido a paz a todos os recantos do mundo (a chamada Pax Romana). A propaganda foi especialmente forte na parte oriental do Império Romano, onde já havia uma tradição de divinizar os governantes. Altares e templos foram construídos em honra do imperador; começaram a circular histórias de que sua mãe tinha sido engravidada por Apolo (deus greco-romano do Sol, da luz e da razão) na forma de uma serpente. Além disso, Augusto tinha sido adotado por Júlio César, outro governante romano que foi oficialmente declarado um deus, embora só depois da morte. Em suas proclamações políticas de cunho quase religioso, Augusto anunciava a “boa nova” da paz trazida por suas vitórias militares, usando o mesmo verbo grego que daria origem às palavras “evangelho” e “evangelizar” em português. Esse seria o primeiro exemplo claro de “empréstimo” por parte dos evangelistas, como forma de ressaltar que “a boa nova da paz” estava sendo trazida por Jesus e seus seguidores, e não pelo Império. Esse seria o significado do anúncio de “paz na terra” feito pelos anjos aos pastores de Belém no Evangelho de Lucas, argumentam Borg e Crossan.
(...)
Um exemplo disso é a perseguição contra o menino Jesus encabeçada pelo rei Herodes no Evangelho de Mateus. Esse evangelista aparentemente escreveu sua narrativa para cristãos de origem judaica e retrata Jesus como o novo Moisés, que levaria à perfeição a Lei sagrada do judaísmo. Daí a história da matança dos bebês de Belém, ordenada por Herodes para tentar eliminar Cristo, e a fuga da Sagrada Família para o Egito, seguida de seu retorno após a morte de Herodes. Os pesquisadores argumentam que essa passagem não visa a descrever um evento histórico, mas sim ressaltar que Herodes, o rei apoiado pelos romanos, é como o faraó que ordenou a matança das crianças israelitas, da qual o pequeno Moisés escapou, segundo o livro bíblico do Êxodo. Já a Sagrada Família simbolizaria todo o povo de Israel, que precisou se fixar no Egito e depois voltou à Terra Prometida, desta vez trazendo o novo Moisés, Jesus.

Da mesma forma, o Evangelho de Lucas aplica ao menino Jesus todos os adjetivos e títulos que a propaganda imperial atribui a Augusto e a seus sucessores, como “Salvador”, “Senhor”, e “Filho de Deus”, mas com uma diferença crucial. Lucas dá ênfase à mensagem do nascimento de Jesus transformando a vida dos oprimidos e marginalizados, como as mulheres (como Maria e Isabel, mãe de João Batista, que são as principais personagens de sua narrativa) e os pastores que testemunham o bebê divino na manjedoura.

Para Borg e Crossan, a mensagem de Lucas é clara: o verdadeiro Filho de Deus não iria trazer a paz ao mundo com exércitos e construções grandiosas, como Augusto, mas por meio da justiça e do resgate dos excluídos. É nesse nível que as histórias do primeiro Natal ainda são relevantes para cristãos e não-cristãos, afirmam eles.
O artigo completo está aqui.

domingo, dezembro 21, 2008

Medindo blogosferas







Uma idéia me ocorreu hoje, como sempre brincando com o BlogPulse. Tomei uma das palavras mais populares em portugues ("hoje") e comparei com o castelhano (hoy). Claramente existe correlação entre as séries temporais (as oscilações se referem à atividade semanal). Eu esperava que essa medida de atividade fosse proporcional, ou seja, a média da razão entre as duas atividades me desse o tamanho relativo das duas blogosferas.


Tomando 12 pontos (preguiça!) encontro que essa média é 1,8 +- 0,2, ou seja, aparentemente a blogosfera castelhana é 1,8 vezes maior que a portuguesa. Surpreendentemente, essa medida grosseira bate com as estimativas de 400 milhões de falantes em castelhano e 240 milhões lusófonos (razão = 1,7), dadas na Wapedia. Muito animador...


Mas algo nos dados está esquisito: fora o fato dessa queda brusca de atividade no gráfico das séries temporais, que não sei explicar, os dados de correlação não são proporcionais (ver gráfico 2), ou seja a reta não passa pelo zero. Usando uma lei de potencia, as coisas ficam melhores (gráfico 3), mas por que o expoente seria o,6? Não encontro uma explicação plausível... A atividade não deveria ser proporcional (linear)?


A medida pode ser melhorada considerando todos os pontos da série temporal, mas não parece que isso iria corrigir a não-linearidade.


É claro que existem correções que deveriam ser feitas (por exemplo, talvez o crescimento das duas blogosferas, por motivos economicos, não seja igual, etc). Este meu resultado, obtido em meia hora, é uma primeira aproximação. Mas me parece bastante intrigante...


PS: Meu teclado está com defeito, não consigo colocar acentos circunflexos...

Um resultado muito curioso


Isso parece ser interessante:





(Submitted on 27 Nov 2008)


Abstract: We propose a new link between mathematical undecidability and quantum physics. We demonstrate that the states of elementary quantum systems are capable of encoding mathematical axioms and show that quantum measurements are capable of revealing whether a given proposition is decidable or not within the axiomatic system. Whenever a mathematical proposition is undecidable within the axioms encoded in the state, the measurement associated with the proposition gives random outcomes. Our results support the view that quantum randomness is irreducible and a manifestation of mathematical undecidability.
Comments: 9 pages, 4 figures
Subjects: Quantum Physics (quant-ph)
Cite as: arXiv:0811.4542v1 [quant-ph]

Segundo o Blogpulse, o Natal está chegando!


Um artigo que copiei aqui mas esqueci de marcar a referência. Um fato interessante, que não conhecia, é que protestantes no século 17 proibiam o Natal por não ser bíblico. Isso contrasta com a reclamação generalizada hoje de que querem descristianizar o Natal...
No ano 245 d.C., o teólogo Orígenes repudiava a idéia de se festejar o nascimento de Jesus "como se fosse um Faraó". Há inúmeros testemunhos de como os primeiros cristãos valorizavam cada momento da vida de Jesus Cristo, especialmente sua Paixão e Morte na Cruz. No entanto, não era costume na época comemorar o aniversário e portanto não sabiam que dia havia nascido o seu Senhor. Os primeiros testemunhos indicam datas muito variadas, e o primeiro testemunho direto que afirma que Jesus Cristo nasceu no dia 25 de Dezembro é de Sexto Júlio Africano, no ano 221.


De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336 d.C.. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu nascimento, ocasião do seu batismo, em virtude da não-aceitação do Calendário Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar o dia 25 de dezembro para o Natal e o dia 6 de janeiro para Epifania (que significa "manifestação"). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos.A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano 354 d.c.


Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao "nascimento do deus sol invencível", que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.


Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes um novo significado, e uma linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como "o sol de justiça" (Malaquias 4:2) e a "luz do mundo" (João 8:12) revelam a fé da Igreja n'Aquele que é Deus feito homem para nossa salvação.As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o "nascimento do deus sol invencível" (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs.


Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colônias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados. O Natal voltou a ser um grande feriado religioso, e ainda é em muitos países.

Jogo da Vida




Uma referência para meu (possível) futuro estudante de mestrado...









(Submitted on 11 May 2006 (v1), last revised 18 Sep 2006 (this version, v2))



Abstract: The cellular automata with local permutation invariance are considered. We show that in the two-state case the set of such automata coincides with the generalized Game of Life family. We count the number of equivalence classes of the rules under consideration with respect to permutations of states. This reduced number of rules can be efficiently generated in many practical cases by our C program. Since a cellular automaton is a combination of a local rule and a lattice, we consider also maximally symmetric two-dimensional lattices. In addition, we present the results of compatibility analysis of several rules from the Life family.




Comments: 11 pages, corrected to match published version
Subjects: Mathematical Physics (math-ph); Cellular Automata and Lattice Gases (nlin.CG)
Journal reference: CASC 2006, LNCS 4194, pp. 240--250, 2006. Springer-Verlag Berlin Heidelberg 2006
Cite as: arXiv:math-ph/0605040v2

sábado, dezembro 20, 2008

Metáforas científicas III


Eu tenho uma teoria sobre porque as metáforas científicas, especialmente as de física clássica, estão presentes do discurso jornalístico e político. Acho que essas pessoas absorveram uma linguagem vinda de Marx e Weber, mesmo que de segunda mão. E esses autores usam de forma constante termos científicos de seu tempo em seus escritos. Citando Engels (A precursor of the sciences of complexity in the XIX century):


A História se faz ela mesma de tal maneira que o resultado final é sempre oriundo de conflitos entre muitas vontades individuais, cada uma das quais, por sua vez, é moldada por um conjunto de condições particulares de existência. Existem inumeráveis forças que se entrecruzam, uma série infinita de paralelogramos de forças que dão origem a uma resultante: o fato histórico. Este, por sua vez, pode ser considerado como o produto de uma força que, tomada em seu conjunto, trabalha inconscientemente e involuntariamente.


Pois o desejo de cada indivíduo é frustrado pelo de outro, e o que resulta disso é algo que ninguém queria. Assim é que a História se realiza como se fosse um processo natural e está sujeita, também, essencialmente às mesmas leis de movimento.

Mas, do fato de que as diversas vontades individuais – cada uma das quais deseja aquilo a que a impelem a constituição física dos indivíduos e as circunstâncias externas (sejam pessoais ou da sociedade em geral que, em última instância, são econômicas) – não atinjam o que querem, mas se fundam numa média coletiva, numa resultante comum, não se deve concluir que o seu valor seja igual a zero. Pelo contrário, cada uma dessas vontades individuais contribui para a resultante e, nesta medida, está incluída nela. Eu pediria ao senhor que estudasse mais a fundo esta teoria nas suas fontes originais e não em fontes de segunda mão. Marx raramente escreveu alguma obra em que ela não tivesse seu papel, mas especialmente o 18 Brumário de Louis Bonaparte é um excelente exemplo de sua aplicação (carta de Engels a Konrad Schmidt, 5/8/1890).


O fato de que nossos políticos, sociólogos e jornalistas se expressam com uma liguagem da física do século XIX (ou anterior) poderia indicar um empobrecimento de sua linguagem conceitual. Parafraseando Engels: "Quem diz que não gosta de ciência acaba sendo escravo de ciência morta..."

Metáforas científicas II




Se você examina o discurso de jornalistas, você irá perceber uma profusão de termos de física clássica, em especial mecânica (estática), eletromagnetismo clássico e ótica geométrica. Exemplos:




Imagino que também devido à divulgação científica, novas metáforas tem sido criadas:





Sem falar em expressões como liquidez de crédito, empresa sólida, bolha especulativa etc.



Acredito que essa função de expandir o vocabulário metafórico e expressivo dê mais poder às pessoas: pois não são apenas palavras, mas conceitos novos, capazes de revelar facetas do mundo que ficariam obscurecidas de outro modo.



Isso contrasta com outras funções menos nobres da divulgação científica, tais como angariar apoio popular, despertar vocações, justificar gastos governamentais em ciência... Tais funções tem como foco valorizar a própria ciência, não o cidadão.



Quando expus essas idéias no I EWCLiPo, me aconselharam apublicar o mais rápido possível. Bom, o mais rápido possível é um post (digo, postagem), fica aqui registrado. Talvez até o final das férias isso gere um artigo... (sim, eu sofro, como todo cientísta, de papirofilia...).

Metáforas científicas I


As férias estão chegando, de modo que talvez eu consiga escrever verdadeiros posts em vez de cut and paste (ou "cortar e colar", segundo o Charles Morphy). Em favor do cut and paste em blog de ciência, posso dizer que acredito serem os blogs (também) filtradores de notícias: eu escolho com critério as notícias a serem colocadas, esperando produzir reverberação das mesmas, ou seja, um direcionamento de atenção dos meus leitores.


Nos idos de 1998 (já fazem dez anos!), no livro impublicável O Beijo de Juliana, eu discuto com Mauro Copelli sobre uma função nobre da divulgação científica que aparentemente nunca foi colocada na literatura: o fato de que conceitos científicos, ao virarem metáforas linguísticas, ampliam a capacidade de expressão das pessoas.


Cuidado: eu não estou falando do uso de metáforas de linguagem comum para explicar ciência (algo que já foi discutido na literatura), mas sim do processo contrário: as pessoas se apropriam, mesmo inconscientemente, da linguagem científica.


Vejamos o nível mais básico (talvez o mais antigo): o uso de termos de geometria Euclidiana na linguagem cotidiana (isso deve vir dos gregos). Exemplos:



  • Ponto de vista


  • Linha de pensamento


  • Círculo de amizades


  • Plano espiritual


  • Esfera de poder


  • Triângulo amoroso

e assim vai... O interssante é que, devido à divulgação científica, as pessoas estão começando a falar em "sociedade fractal" etc. Exemplos:




  • Cidade Fractal: Em 1990, para o PROJETO NÚCLEO URBANO DE CAMPINAS, cidade de SP, o arquiteto Shigueo Torigoi propôs a aplicação da Geometria Fractal ao Urbanismo. A então denominada CIDADE FRACTAL propõe um complexo estrutural auto-similar, na qual a casa, o bairro e a cidade são repetições de um mesmo padrão fractal auto-organizado e auto-gestionado, configurando uma Sociedade Aberta (Flávio Calazans).


  • O Projeto Fractal pode ser definido como um compêndio. É um poderoso instrumento de pesquisa que reúne aspectos significativos do saber previdenciário. Ele começou a ser elaborado a partir da percepção de que era fundamental compartilhar esses conhecimentos com os gestores e técnicos da Previdência Social, do INSS, da DATAPREV, advogados públicos e cidadãos (Luiz Marinho, Ministro de Estado da Previdência Social).



Ufos e Terremotos


Por falar em terremotos (sim, eu trabalhei em modelos de terremotos com criticalidade auto-organizada), faz tempo que se fala em uma conexão entre UFOs e terremotos. Me perguntaram outro dia porque virei cético quanto a UFOs e isto é parcialmente a resposta (quando adolescente eu descobri essa conexão - e depois descobri que Persinger publicou primeiro, argh!).
No Blogpulse a correlação também apareceu...

Sightings of aliens have been linked to electrical fields caused by quakes.


Jerome Burne


You are driving along an empty road late at night when several large, disc-shaped lights suddenly fly in front of you. One stops and hovers above the road. Your ignition cuts out and your curiosity turns to panic. The glowing ball is on the ground in front of you now. Is that a figure emerging..? You are having a UFO experience which could mean: a) you have actually been contacted by
aliens; b) you are having hallucinations, are stressed or schizophrenic, or it is a false memory implanted later under hypnosis; c) you have walked on to the set of a sci-fi B movie in the making. But there is another possibility - you might simply be receiving advance warning of an earthquake. This is the theory of Michael Persinger, a professor of psychology and neuroscience at Laurentian University in Sudbury, Ontario, who is the subject of a television documentary tomorrow night [Ref: Equinox : Identified Flying Objects]. Mr Persinger's research project is odd and intriguing.
For 20 years he has been working on a theory that connects not only UFOs and earthquakes, but also powerful electromagnetic fields and an explanation of paranormal beliefs in terms of unusual brain activity. "Beneath the Earth's surface seethe massive geophysical forces," says Mr Persinger. "Around the time of an earthquake particularly, the tremendous seismic pressure on rock crystals produces powerful local electrical fields, measuring several thousand volts per metre, more than enough to produce balls or columns of light." Depending on the culture, these can be interpreted as dragons, mystical visions or flying saucers. In one study Mr Persinger found that 90 per cent of the accounts of luminous events in the sky reported between 1820 and 1926 could be linked to a rise in seismic activity at the same time.
More recently, noting the connection between large dams and a build-up of seismic strain he has found a link between UFO reports and five major American dams.An apparent epidemic of UFO reports in Manitoba, Canada, in 1975 was found to have coincided with a severe earthquake in the area. An apparent rash of UFOs in Missouri during 1973 and 1974 occurred at just the same time as the only two recently recorded earthquakes in the region. Two British researchers, Paul McCartney, a geochemist, and Paul Devereux, writer, have found that Clev Hill in Wiltshire, long a favourite haunt of UFO spotters lies, beside the only two fault lines in the area. But these geomagnetic fields are not only producing balls of light, they are also capable of having an effect on the brain. In a series of laboratory studies Mr Persinger has found that electromagnetically stimulating two parts of the brain involved with memory and meaning - the amygdala and the hippocampus - can suddenly release a flood of images from the past that are automatically imbued with a tremendous sense of reality and importance. He has also found that stimulating another area, the temporal lobes, can produce all sorts of mystical experiences, out-of-the-body sensations and other apparently paranormal phenomena.
Susan Blackmore, a psychologist and presenter of the television programme on Mr Persinger, has reported how she felt when her temporal lobes were stimulated with a pulsed magnetic field of the same intensity as that of a commercially available relaxation device. "It felt for all the world as though two hands had grabbed my shoulders and yanked me upright... I felt as though I had been stretched halfway up to the ceiling. Then came the emotions, Totally out of the blue, but in tensely and vividly, I suddenly felt angry. Later... I was terrified." So not only can the electromagnetic field produced by tectonic strain produce UFO-like luminous shapes but the subjective experiences of those having close encounters begin to make sense too. Reports of blacking out as the "ship" gets near and subsequent amnesia suggest an assault on the brain's electrical system, which could also explain why car engines often fail.Then there are sinister aliens and sexual experiments, "Temporal lobe stimulation can evoke the feeling of a presence, disorientation, and perceptual irregularities," says Mr Persinger. "It can also activate images stored in the subject's memory, including nightmares and monsters that are normally suppressed." Strong magnetic fields affect the genitals,sensations which can be interpreted as "spacemen did tests on my genitals".
Mr Persinger's theory also implies that UFO spotting could seriously damage your health. "Exposure to intense magnetic fields has been associated with an increase in cancers of the blood, brain and sexual organs and a rise in depression, suicide and alcohol abuse," says Mr Persinger. He notes that of three children who were closest to the famous lights, interpreted as a vision of Virgin Mary, at Fatima in Portugal in 1917, two died within three years, one from a solid lung tumour.

Chacoalhando vulcões


Parece que terremotos podem disparar erupções vulcânicas a centenas de quilômetros de distância...




Shaken volcanoes blow their tops


ScienceNOW: As if people living in the world's major earthquake zones don't have enough to worry about, a new analysis of two of the biggest quakes of the past century reveals a sharp spike in volcanic eruptions after the events, sometimes in volcanoes located hundreds of kilometers from the epicenters. The researchers are quick to point out that not all large earthquakes trigger eruptions, but the work does suggest that in areas where both earthquakes and volcanoes are common, such as in Indonesia, increased volcanic activity could be looming in the wake of big temblors.

Minha contribuição: comparando as tags "earthquake" e "volcano" no Blogpulse. Embora a maior parte dos posts se refere a eventos passados ou metáforas (acho que isso forma a linha média), é possível ver dois possíveis eventos desse tipo nos dias 01 e 15 de novembro passado. E, ao contrário dos terremotos maiores, puntais (29 de julho e 6 de setembro), a atividade vulcanica parece coincidir com atividade sísmica mais duradoura, na forma dos "morrinhos" mais extensos de comentários da curva. O que acham?

Lendas urbanas sobre bebês






Neste texto, faço uma pausa no assunto células-tronco e volto paras minhas reflexões sobre como nos definimos como humanos. Em visita ao zoológico de San Diego (aliás, altamente recomendável para quem visitar a região) tive a oportunidade de observar pequenos filhotinhos de primatas dormindo com seus pais. Os filhotes pareciam superconfortáveis, seguros, num sono descompromissado e restaurador.
Depois, em conversa com um amigo primatólogo, descobri que a maioria dos primatas não-humanos tem o hábito de dormir com seus bebês. Não acredito que isso tenha sido extensivamente estudado, talvez pelas dificuldades do trabalho de campo ou mesmo pelo respeito ao animal em cativeiro. Enfim, acho que isso é apenas uma observação de grupos que trabalham com primatas que sugere um comportamento comum. Mas e os humanos? Eles dormem com seus bebês?


Continue aqui.


As idéias do Alysson fazem sentido (evolucionário e biológico): bebês longe dos pais equivale a bebês desprotegidos. Quem inventou o berço? A Inglaterra Vitoriana?


Como testemunho pessoal, posso adicionar que todos os meus (quatro) filhos dormiram na cama dos pais (os dois pequenos ainda dormem na cama da mãe). Um conselho para os pais aflitos seria fazer sexo em outros cômodos da casa...

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Máquina do tempo


Parece que algum viajante esqueceu uma máquina do tempo (relógio) em um túmulo chinês. 

Do G1: Arqueólogos se mostraram surpresos após encontrarem um relógio suíço de cerca de 100 anos de idade em um túmulo que estava fechado há mais de 400 anos na China, segundo o jornal inglês "Daily Mail".

Os arqueólogos acreditavam que eram os primeiros a visitar o túmulo da dinastia Ming, em Shangsi, na China. Mas, ao abrirem o túmulo, eles encontraram um relógio miniatura com um círculo escrito "Swiss", objeto que acreditam ter um século de idade.

 

O misterioso relógio estava encravado no barro e na rocha e marcava 10h06. 

Segundo especialistas, relógios eram desconhecidos na dinastia Ming. Além disso, na época, a Suíça nem sequer existia como um país.


De acordo com a reportagem, os arqueólogos estavam fazendo um documentário com dois jornalistas quando fizeram a descoberta.


Bom, mas para especulações científicas sobre viagem no tempo, veja abaixo:

Averaged null energy condition in Loop Quantum Cosmology

Wormhole and time machine are very interesting objects in general relativity. However, they need exotic matters which are impossible in classical level to support them. But if we introduce the quantum effects of gravity into the stress-energy tensor, these peculiar objects can be constructed self-consistently. Fortunately, loop quantum cosmology (LQC) has the potential to serve as a bridge connecting the classical theory and quantum gravity. Therefore it provides a simple way for the study of quantum effect in the semiclassical case. As is well known, loop quantum cosmology is very successful to deal with the behavior of early universe. In the early stage, if taken the quantum effect into consideration, inflation is natural because of the violation of every kind of local energy conditions. Similar to the inflationary universe, the violation of the averaged null energy condition is the necessary condition for the traversable wormholes. In this paper, we investigate the averaged null energy condition in LQC in the framework of effective Hamiltonian, and find out that LQC do violate the averaged null energy condition in the massless scalar field coupled model.
Comments:5 pages
Subjects:General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc)
Cite as:arXiv:0812.3532v1 [gr-qc]

quinta-feira, dezembro 18, 2008

Revoluções Científicas



Este post pertênce à Roda de Ciência. Favor comentar lá.
Hummm, o tema deste mês de dezembro lembra aquelas bolas de cristal de final de ano. Não sei se vou ter um desempenho superior ao de astrólogos e jogadores de búzios mas aqui vai...



No curto prazo: Descoberta de micróbios no sistema solar e/ou atmosferas com oxigênio em planetas extra-solares (evidência de vida). Ver Astrobiologia. Tais descobertas irão revolucionar a Biologia.



No médio prazo: As teorias de Multiverso serão testadas de forma indireta, algumas serão descartadas (o que significa que Multiverso é uma idéia científica). A idéia de Multiverso se tornará consensual na comunidade de Cosmologia. Essas idéias revolucionam a própria epistemologia da Física.

Palmerenses e Corintianos


Como vocês sabem, um dos objetivos deste blog é divulgar trabalhos dos meus amigos. Este aqui envolve redes neurais e sociophysics. Acho que o percéptron deveria ser mais usado em modelos de formação de opinião e este é um caminho.





(Submitted on 13 Nov 2008)


Abstract: We study opinion dynamics in a population of $K$ interacting adaptive agents voting on a set of issues. The agents are modeled as Boolean Perceptrons that have to classify a set of $N$ dimensional random vectors $\{\mathbf{x}_{a}\}_{a=1}^{P}$ representing the issues being debated. At each interaction, the agents react to the classification of their neighbors in a social network by trying to learn the rule used to vote. The learning algorithm is parametrized in terms of how agents weight their neighbors agreement in relation to disagreement ($\delta$) and of a learning rate ($\eta$). By simulating the model on a ring we observe that, if information is exchanged asynchronously, consensus only emerges for $\delta=0$ and P=1, being in this case equivalent to the Voter model. For $\delta>0$ and P=1 factions with extreme opposite beliefs emerge. Random moderate opinions are observed as the number $P$ of issues debated increases. The synchronous case is studied semi-analytically for $P\to\infty$ and unidirectional information flow to show that consensus is a fixed point for $\delta=0$ and $\eta\to0$. For $\delta>0$ consensus is also a fixed point but the dynamics becomes glassy as $K$ grows larger.

Comments: 13 pages, 10 figures, presented at SigmaPhi08
Subjects: Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:0811.2099v1 [physics.soc-ph]

terça-feira, dezembro 16, 2008

Física das religiões


Enviado pelo Alexandre Martinez. Talvez um dia eu aplique o modelo de evolução cultural da culinária para esse problema da evolução de religiões.





(Submitted on 14 Dec 2008)


Abstract: A religion affiliation can be considered as a "degree of freedom" of an agent on the human genre network. A brief review is given on the state of the art in data analysis and modelization of religious "questions" in order to suggest and if possible initiate further research, ... after using a "statistical physics filter". We present a discussion of the evolution of 18 so called religions, as measured through their number of adherents between 1900 and 2000. Some emphasis is made on a few cases presenting a minimum or a maximum in the investigated time range, - thereby suggesting a competitive ingredient to be considered, beside the well accepted "at birth" attachement effect. The importance of the "external field" is still stressed through an Avrami late stage crystal growth-like parameter. The observed features and some intuitive interpretations point to opinion based models with vector, rather than scalar, like agents.

segunda-feira, dezembro 15, 2008

I EWCLiPo - Blogueiros científicos se reunem no Brasil




O I EWCLiPo - Encontro de Weblogs Científicos em Língua Portuguesa - foi realizado nos dias 11-12 de dezembro na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP. Os participantes o avaliaram bem e tendo a concordar com eles. Acredito que o clima informal, as discussões aprofundadas e as confraternizações no Pinguim e no Cervejarium contribuiram muito para isso.




Átila Iamarino, Carlos Hotta, Gustavo Miranda Forte, Charles Morphy Dias dos Santos, Dulcídio Braz Jr., Francisco R. Belda, Isis Nóbile Diniz, Leandro R. Tessler, Mauro Freitas Rebelo, Osame Kinouchi e Reinaldo José Lopes foram os palestrantes. Houve intensa discussão após cada palestra, com grande participação do público. Mesmo sem atraso nos horários, os participantes ficaram uma hora a mais na mesa redonda de quinta-feira, tal a vontade dos presentes em continuar discutindo (o que só terminou à meia-noite no Pinguim).




Muitas questões foram colocadas e discutidas: como avaliar o impacto dos blogs científicos, a questão da qualidade dos blogs e como devem ser avaliados, as várias modalidades de blogs científicos, estatísticas sobre os mesmos. As discussões mostraram que muito falta por fazer mas as oportunidades estão aí: por exemplo, sabe-se que a blogosfera científica em Portugal é maior e mais bem organizada que a nossa, indicando que a blogosfera brasileira ainda têm muito potencial para crescer. Pena que Desidério Murcho, do De Rerum Natura, não pode comparecer. Esperamos contar com representante(s) de Portugal no próximo encontro, e quem sabe um dia realizar um EWCLiPo lá na terrinha.




O resultado mais importante, na minha opinião, é a continuidade do Encontro. Chegou-se à conclusão que EWCLiPo, embora um nome longo, é uma marca de fácil memorização, de modo que o nome será mantido para o II EWCLiPo no Rio de Janeiro (em Búzios?) em agôsto de 2009, a ser coordenado por Mauro Rebelo da UFRJ. Concluiu-se também que "EWCLiPo" é mais fácil de pronunciar do que "Lablogatórios"... :´)




Quatro recomendações foram feitas para o próximo encontro:






  1. O Encontro deverá ser realizado em um final de semana, para facilitar a participação do pessoal fora da academia.




  2. Deverão ser convidados para palestras blogueiros fora da blogosfera científica, a fim de compartilharem sua experiência e visão global da blogosfera brasileira.




  3. Uma série de palestras tipo "How to" para blogueiros iniciantes deverá ter lugar no encontro.




  4. Last but not the least: toda ênfase para convidar mais blogueiras científicas, tanto como palestrantes como participantes. Afinal, aquela mesa de oito marmanjos no Pinguim foi meio traumática (a Isis só chegou na sexta-feira).




A lista de palestras, atualizada, encontra-se aqui.

sexta-feira, novembro 14, 2008

Onde nenhum ser humano jamais esteve



Isis Nóbile Diniz, do blog Xis-Xis, agora escreve para o Portal G1. Aqui vai um link para uma de suas primeiras reportagens (a primeira?):

Portal G1: esquisadores captaram pela primeira vez a imagem de três planetas em torno de uma estrela diferente do Sol. E, em outro estudo, conseguiram a imagem ótica do possível objeto mais frio e de menor massa corporal já "fotografado" fora do Sistema Solar. As “fotos” foram feitas com telescópios terrestres e com o espacial Hubble. Com essas fotografias, os cientistas poderão observar os planetas diretamente. Tornando o estudo mais prático do que supor, por meio da matemática e outros instrumentos, que os planetas estão lá. Os trabalhos foram publicados na revista “Science” desta semana [na forma de Science Express, ou seja, publicação on-line antecipada]. Ver mais aqui.

É interessante verificar como (certo tipo) de pessoas religiosas se sentem incomodadas por (certo tipo) de notícias científicas - um exemplo claro é uma notícia sobre o LHC no Portal G1 que gerou 167 comentários, a maior parte negativos, e que Isis, Angélica e eu estamos estudando, visando entender justamente o que são esses "certos tipos": que tipos de temas científicos não são palatáveis por uma população medianamente educada (que lê jornais na Internet!) por afrontarem sua visão de mundo? Será que a divulgação científica faz com que essas pessoas se aproximem ou se afastem de vez da cultura científica?


segunda-feira, novembro 10, 2008

Discreto charme das partículas elementares


Livro sobre partículas elementares vira programa da TV brasileira 

Via SBF: O discreto charme das partículas elementares, título publicado pela Editora Unesp, foi adaptado para a televisão e o resultado pode ser conferido no próximo dia 10 de novembro (segunda-feira), às 19h30, na TV Cultura. O objetivo, tanto do programa quanto do livro, é tornar acessível ao público leigo a Física das Interações Fundamentais. A data para a exibição da atração coincide com o “Dia Mundial da Ciência pela Paz e Pelo Desenvolvimento”, que leva o selo da ONU (Organização das Nações Unidas). 

Em O discreto charme das partículas elementares, a história das partículas elementares, as “pequeninas” como carinhosamente as trata a autora, Maria Cristina B. Abdalla, é reconstruída desde as primeiras descobertas na área e a alvorada da teoria quântica até as novas manifestações da matéria. Refaz, assim, a trajetória da mudança de modelos, que acontece sempre quando da descoberta de uma partícula, levando a Física das Partículas a se transformar no que é hoje denominado Modelo Padrão da Física de Partículas. 

Uma caminhada que persegue o mundo invisível dos quarks e léptons e avança até as grandes estruturas cosmológicas, sempre por meio de um estilo agradável, auxiliado por inúmeras ilustrações. Neste enlace do micro e do macrocosmo, Maria Cristina Abdalla nos desvenda as fascinantes “pequeninas” a partir das quais toda a matéria do universo observado é formada. 

No programa da TV Cultura de São Paulo, Marcelo Tas atua como um apresentador de TV, do tipo chapeleiro maluco, e leva a personagem principal, Rafael (Giovanni Delgado), para uma viagem em um mundo paralelo, com informações sobre átomos, elétrons, quarks, léptons e bósons mediadores e também sobre a teoria do big bang (uma das explicações para a origem do universo). Neste cenário, onde 70% dos espaços são digitais, os atores interagem quase que o tempo todo com o virtual, como se fosse um videogame onde o protagonista precisa passar por diferentes níveis. “O programa utiliza uma linguagem moderna e lúdica para tratar de um assunto que costuma ser árido para os jovens. Tudo isso, construído com uma diversidade de computação gráfica que contribui para ensinar e tornar a atração bem interessante visualmente”, comenta Ricardo Elias (dos premiados “De Passagem” e “Os 12 Trabalhos"), diretor da atração. 

Sobre a autora – Maria Cristina Batoni Abdalla é professora livre-docente do Instituto de Física Teórica da Unesp, em São Paulo. Foi professora associada do ICTP-Trieste, na Itália, e trabalhou no CERN, em Genebra, na Suíça. 

domingo, novembro 09, 2008

O Presidente Negro


"Nada revela mais sobre uma época do que sua visão do futuro" (não lembro quem disse isso).

Como o tema da Roda da Ciência ainda é sobre Ficção Científica e Divulgação Científica, vou fazer mais um post sobre o tema, aproveitando a coincidência entre a eleição de Barak Obama e o tema do único romance (por sinal, de FC) de Monteiro Lobato.

Eu quase não leio ficção científica atual, meu autor mais recente é Philip K. Dick. Mas gosto de colecionar FC antiga, justamente para conhecer as utopias e distopias de cada época, e perceber a incrível limitação da imaginação humana.

O livro de Monteiro Lobato deve ser lido pois revela uma época de relativismo cultural (anos 1900-30). Eistein ficou pop por causa do termo "Relatividade" em sua teoria. Se a mesma fosse chamada de "Teoria da Invariância" (como seria adequado) seu apelo popular não seria tão grande. As teses relativistas de Monteiro Lobato (na verdade não dele, mas de sua época) são:
  • As raças (etnias, culturas) possuem valores incomensuráveis;
  • Homens e mulheres também possuem valores incomensuráveis
  • A visão da modernidade democrática é ingênua: existem grupos dentro da sociedade que são fundamentalmente antagônicos e uma luta sem limites morais é o único caminho.
  • Dado que o diálogo e a negociação não são possíveis, por serem mecanismos burgueses, os conflitos se resolvem pela luta: que vença o mais forte.
Se você achar alguma semelhança com teses relativistas pós-modernas, não é acaso. Isso vem da tradição de Nietzsche e Heiddegger e depois de seus discípulos que as formalizaram como uma tese de esquerda (em contraste com toda a história do pensamento universalista de esquerda).

Lobato propõe humoristicamente uma "solução final" para o problema do negro nos EUA. Se arrependeu bastante quando uma solução final mais violenta foi aplicada aos judeus, quinze anos mais tarde.


Da wikipédia:

O Presidente Negro (originalmente denominado O Choque das Raças ou O Presidente Negro, e posteriormente, O Presidente Negro ou O Choque das Raças: romance americano do ano 2228), é o único romance (e de ficção científica) escrito por Monteiro Lobato.

Ayrton, desastrado cobrador da empresa Sá, Pato & Cia. sofre um acidente automobilístico na região de Friburgo (Rio de Janeiro) e é resgatado pelo recluso professor Benson, que o leva para sua residência. Ali, ele trava contato com a grande invenção de Benson, o "porviroscópio", um dispositivo que permite ver o futuro, e com Miss Jane, a bela e racional filha do cientista.

Através de Jane, Ayrton é posto a par da disputa pela Casa Branca nos Estados Unidos da América do ano 2228, onde a divisão do eleitorado branco entre homens (que querem reeleger o presidente Kerlog) e mulheres (que pretendem eleger a feminista Evelyn Astor), transforma o candidato negro, Jim Roy, no 88° presidente dos EUA.

A alegria dos negros, contudo, dura pouco. Incapazes de aceitar esportivamente a derrota, os brancos (agora novamente unidos) elaboram uma "solução final" para o "problema negro", muito mais sutil e eficaz do que aquela elaborada por Hitler para os judeus, pouco mais de uma década e meia após o lançamento do livro de Lobato.


Em 2008, a coincidência de dois pré-candidatos, um negro (Barack Obama) e uma mulher branca (Hillary Clinton) disputando a Casa Branca contra um candidato branco, despertou novamente a atenção da mídia brasileira para "O Presidente Negro". O livro ganhou nova edição da Editora Globo e, em algumas resenhas foi citado que Lobato teria previsto o surgimento da internet. Uma leitura atenta do livro revela que o autor falava de algo bem mais modesto, o "tele-trabalho": "em vez de ir todos os dias o empregado para o escritorio e voltar pendurado num bonde que desliza sobre barulhentas rodas de aço, fará ele o seu serviço em casa e o radiará para o escritorio. Em suma: trabalhar-se-á á distancia".[11]