Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, julho 08, 2010

Paul, o polvo, inspira campanha "Paeja sem Cefalópodes"

Coma paeja sem polvos e lulas! Polvos são animais muito inteligentes (mais que cães), pois apresentam aprendizagem vicarial - aprendem apenas observando outro polvo sendo treinado.
Mesmo crianças pequenas não conseguem fazer isso. Acho que a lista de animais a serem eliminados do cardápio deveria seguir o rank de inteligência animal. Já não comemos antropoides, cetáceos, canídeos e elefantídeos. É agora a hora dos cefalópodes! Abaixo o especismo, o último racismo!

Seja ético! Leia "A Vida Ética de Paul Singer". Substitua carne de mamíferos e cefalópodes por peixes pequenos e camarão! O clima da Terra e a comunidade de animais auto-conscientes agradecem. 




4 comentários:

none disse...

Tenho restrições à ética singeriana. Por ela deveríamos gastar dinheiro salvando animais em vez de crianças.

[]s,

Roberto Takata

Osame Kinouchi disse...

Acho que uma coisa não exclui a outra.

Mas é uma questão bem interessante:

Qual vida é mais valiosa? A de uma criança ou o ultimo casal de ursos polares, elefantes ou chimpanzés?

Segundo o mito da arca de Noé, os casais de animais raros são mais importantes...

Concorda que a norma ética "a vida de um ser humano é mais importante de que a de um animal não-humano" não pode ser justificada pela biologia ou pela ciência? Talvez os filosofos acabem concluindo que também é uma norma à qual caberiam excessões (por exemplo, acho que Mayr, aos 100 anos, se sacrificaria por um casal de animais bem raros)... Jane Goodall faria algo desse tipo, tenho certeza.

none disse...

Ciências não justificam nenhuma norma ética.

Não estou aqui falando de exceções, estou falando de uma situação normal.

A ética singeriana admite perfeitamente o infanticídio. Segundo o pensamento dele mesmo, se um casal pobre tiver um filho e não tiver condições de sustentá-lo, pode matar o filho (ou a filha).

[]s,

Roberto Takata

Osame Kinouchi disse...

Acho que isso é intriga da oposicao. Voce realmente leu o livro?