Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, novembro 05, 2009

Caetano Veloso fala sobre Marina, Serra, Dilma e Aécio



Qual o papel dos formadores de opinião em uma eleição? Eu desconfio que muita. Não sou eu que digo, mas os modelos de sociophysics em redes complexas, onde os formadores de opinião são os nodos de alta centralidade, os hubs.

O que é uma "originalidade fatal"?

Somos um país de dimensões continentais, cujo povo fala português nas Américas, com uma população altamente miscigenada... São muitos fatores estranhos... O português é considerado assim o "túmulo de espírito". O próprio padre Antonio Vieira disse isso da língua. No entanto, essas desvantagens apontam para uma originalidade enorme, que a gente pode ou não aproveitar. Então eu gosto, por exemplo, de uma entrevista do (ex-ministro) Mangabeira (Unger) no Estadão sobre a Amazônia, em que ele diz que o Brasil devia fazer dela uma experiência de vanguarda tecnológica e de desbravamento de atitudes com relação ao desenvolvimento sustentável. Uma coisa de grande ambição, experimental. Acho que essas visões é que apontam para a verdadeira vocação do Brasil. É assim que eu penso. E olhe que minha candidata à Presidência é Marina Silva.

Você já escolheu?

Pode botar aí. Não posso deixar de votar nela. É por demais forte, simbolicamente para eu não me abalar. Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é uma cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro. Ela fala bem. Mas olha, eu concordo com o Mangabeira sobre a vanguarda tecnológica e o desbravamento. Parece uma contradição? Mas é assim.

Talvez não seja. Em nenhum momento o Mangabeira fala em destruição, em uso não sustentável...

Não sei se a Marina diria dessa forma. E acho que há, sim, uma tensão da posição dela em relação à de Mangabeira, embora ela seja a minha candidata. Se ela for, voto nela, com a esperança de que ela, com sensatez que sempre demonstra, acolha a complexidade da realidade. E, no poder, seja mais pragmática que Lula. E mais elegante, o que já é.

A Marina teria condições de gerir um país deste tamanho?

Acho que ela é muito responsável e muito sensata. Se empenhar as energias para ganhar e se tornar capaz disso, ela levará a sensatez ao ponto de poder gerir. Suponho que agora ela não parece ter essa capacidade, com as coisas como estão.

Serra faria um bom governo?

Pode fazer. O Serra foi um excelente ministro da Saúde. Agora, ele é o tipo do cara que, se tivesse ganho no lugar de Lula, em 2002, teria trazido mais problemas à economia brasileira. Ele teria feito um governo mais à esquerda e a economia talvez tivesse problemas que não está tendo porque o Lula fez a economia de direita. E ouve os conselhos de Delfim Neto, que o Serra não ouviria. O Lula foi mais realista que o rei. Foi bom, a economia deslanchou.

E Dilma?

Não tenho ideia. Ela tem um trabalho de pura gestão, mas sem experiência de poder político direto. Ela nunca foi eleita a coisa nenhuma.

A Marina tem?

Ela tem. Os candidatos são todos de nível bom. Vou falar em Aécio, de quem eu gosto muito. Talvez seja meu favorito entre os gestores. Porque acho que o Serra talvez ficasse mais isolado que o Aécio. E a Dilma talvez ficasse muito presa ao esquema estabelecido de ocupação dos espaços estatais pelo governo .

13 comentários:

laud on disse...

MARINA 2010: A CANDIDATA DA PRIVATIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

Carlos Alberto Franco da Silva e Flávio Almeida Reis

No momento em que a ecologia passa a ser marketing para o capital, Marina busca o reconhecimento de novos companheiros para legitimar sua candidatura: o ‘empresariado verde’.

(...)
O Partido Verde e suas alianças

Com uma trajetória de esquerda, organizadora do PT no Acre, identificada com os oprimidos da Amazônia, negra e de sobrenome “Silva”, Marina precisa explicar ao povo que tipo de “justiça”, “valores“ e “padrão de desenvolvimento” ela espera encontrar no PV, um partido declaradamente capitalista que possui entre seus “fundamentos” o “direito à iniciativa privada, no âmbito econômico” (site do PV). Que “setor da sociedade” (classe social) ela espera descobrir num partido que participa dos governos Serra e Aécio (PSDB) e Kassab (DEM)?

Que tipo de conceito de “sustentabilidade ambiental” Marina acredita ter um partido que apoiou a reeleição de Blairo Maggi (PR-MT), maior plantador de soja do mundo? Ou que participa do Governo Cassol (PPS) em RO, que apóia incondicionalmente a construção das insustentáveis hidrelétricas no Rio Madeira?

(...)
Marina “se viu obrigada” a sair do governo diante do decreto da MP que aumentou de 500 para 1.500 hectares as áreas na Amazônia repassadas sem licitação aos latifundiários, medida jurídica que possibilita a maior operação de legalização da grilagem depois da Lei de Terras de 1850 (ver artigos sobre isso aqui). Mas antes disso, no entanto, ela mesma já havia dado a largada da privatização das Florestas Públicas. Sendo assim, a “MP da Grilagem”, anunciada por ela como uma de suas divergências com Lula, na verdade não passou de uma conseqüência da política que ela própria ajudou a implementar.

Num próximo artigo examinaremos mais profundamente as conseqüências concretas das leis que privatizaram as Florestas Nacionais (Lei 11.284/06) e que fragmentou o IBAMA (Lei 11.356/07). Medidas as quais Marina anunciou que teve a “honra” de ajudar Lula aprovar.

Ver todo o artigo em http://br.groups.yahoo.com/group/unesptur2003/message/1030

ps: só postei isto pois acho oportuno contrapor aqui prum debate. Ainda não defini em quem (e se) votar. E quem subscreve o texto acima é assumidamente petista (pelo menos daqueles que se consideram ainda a banda limpa, de esquerda, de fato da coisa). Como também deve ser o autor da postagem no yahoo grupos.

Anônimo disse...

DORA KRAMER

Origem e destinos

Do que fala Caetano Veloso – que, aliás, será apontado como preconceituoso por isso – quando diz que Marina Silva não é “analfabeta” como o Lula? Fala sobre o esforço da senadora em se aprimorar e aproveitar as oportunidades dadas pela vida. Fala da recusa da senadora em fazer da adversidade de origem um proveitoso destino.

Fala de uma mulher nascida nos seringais da Amazônia, alfabetizada aos 14 anos de idade e que tem hoje na expressão do idioma de seu país um de seus melhores atributos. Marina não precisa da grosseria para se identificar com seu povo. Ao contrário: oferece-se a ele como prova de que o aperfeiçoamento – de palavras, pensamentos e comportamentos – vale a pena.

Marina não nivela o Brasil por baixo, mostra o valor do esforço e não celebra a indulgência.

Osame Kinouchi disse...

Laud,

Nas ultimas eleições, as pessoas votaram no Lula, não no PT. Da mesma forma, não vejo problema em votar em Marina, não no PV. Para deputados e senadores, continuarei a votar no PT... por que sei que o PT vai ser da bancada governista se Marina vencer... Afinal, Marina tem inumeros amigos petistas - da banda boa do PT, as pontes e portas nao foram cortadas.

laud on disse...

Pois é Osame, seguindo esse raciocínio de votar na pessoa e não no partido, teria de decidir por que Marina e não Dilma. E, já que, se ambas tem chances de vencer, e se nessas opções o PT estaria "bem" de bancada", parece que, numa conclusão imediatista, com Marina teremos mais do mesmo com alguma coisa de PSDB e DEM e com Dilma, apenas mais do mesmo. Se quisermos algo mais de esquerda, de fato, parece que ainda não será desta vez,não?

Osame Kinouchi disse...

Bom, na verdade, se vc quer mais à esquerda, o PSOL está com Marina. Agora, vc realmente acredita que, em termos de pessoais, nao existe diferença de personalidade entre Dilma e Marina?

Não me lembro de ter visto Marina fazer assessor chorar ou humilhar publicamente seus subordinados. Biografia de Marina aparece no New York Times, mas o NYT nem sabe que Dilma existe. Garotinho e a Bispa Sonia Ernandes apoiam Dilma, Leonardo Boff apoia Marina.

José Eli da Veiga (prof. titular de economia da USP) apoia Marina, vc leu o artigo dele sobre isso? Vc discorda da análise dele? Discorda onde?


http://comciencias.blogspot.com/2009/10/preferir-marina-jose-eli-da-veiga-usp.html

Anônimo disse...

A opinião de Caetano Veloso não faz a menor diferença. Um compositor que se acha melhor do que Chico Buarque e Gilberto Gil, juntos, não pode ser levado a sério.
Quanto à apoiar Marina Silva, sem problemas. O problema é votar nela, porque o problema não é ELA, mas sim aqueles que vêm junto para o poder. Votei no Lula, duas vezes. Grande cara, rodeado de gente muito medíocre, que inflaram o estado como nunca se viu aumentaram a burocracia para ganhar dinheiro.

Osame Kinouchi disse...

Anonimo, se vc votar na Dilma, estará dando o poder para a turna do José Dirceu.

Se voce votar no Serra, estará novamente refém do DEM.

Pense em Marina como o "menos pior candidato". Além disso, no primeiro turno, pode-se votar em quem quiser.

Dai, se ficar Marina versus Serra no segundo turno, vc pode votar no Serra! Não tem problema!

Agora, a questão não é desqualificar o Caetano, mas sim se perguntar: que formadores de opiniao (populares ou nao) estão apoiando Marina? Caetano pode trazer voto ou fazer show para ela? Isso renderá votos?

Compare com os apoiadores de Dilma (Garotinho, PMDB) e os apoiadores de Serra (DEM e aquela atriz que falou "Eu tenho medo do Lula", lembra?)

Por que o New York Times fala de Marina, mas não de Dilma ou Serra? Qual o motivo? Você tem um chute sobre isso?

laud disse...

Tardei, mas cá estou. Osame, esperava uma réplica menos emocional. Isso porque ao lê-la posso começar por dizer que não disse que quero algo "mais à" esquerda.
Também não disse que não há diferença entre Marina e Dilma, enqto pessoas/ personalidade, em nenhum momento.
Sobre os apoiadores de uma e outra, ora ora, numa hipótese das duas irem ao 2o. turno...será que não teríamos nomes aparentemente "notórios", "inquestionáveis" apoiando tanto a uma qto à outra?
ps: e dizer q um NYT fala de uam e ignora a outra, convenhamos, você como cientista, pode poupar a gente disto, a quem impressionar com uma referência desta? Enfim, a questão continua: convençam ó marinados &marinadas a quem ainda está em dúvida sobre como usar melhor o voto ano q vem. Ainda lerei os posts mais recentes com calma, mas a tomar esta réplica como medida, difícil dizer ainda que Marina é melhor. Grato pela atenção anyway.

Osame Kinouchi disse...

Laud,

Não sei se entendi sua resposta. Por que mesmo vc acha que Serra, Dilma ou Ciro são melhores que Marina? Uma questão de governabilidade, talvez? Mas isso já não foi respondido pelo artigodo Jose Eli da USP?

Não entendi também o comentário de que o meu "argumento de autoridade" não é valido para avaliar a importância de um candidato em termos de impacto internacional. Se Marina ganha premios internacionais, é reconhecida por um jornal do porte do NYT etc, isso não significa nada na sua avaliação. Por que exatamente? Não entendi.

Talvez vc tenha absorvido o mito de que cientistas não devem usar argumento de autoridade. Bom, felizmente é apenas um mito. Se um premio Nobel for dar um seminario sobre "Por que Eistein estava errado", eu vou assistir. Se o Zezinho da esquina for dar a mesma palestra, eu não vou perder o meu tempo. Sinto muito, a vida é cruel, e a autoridade (a reputação cientifica de uma pessoa) é não apenas um valor, mas talvez o maior valor na ciência: voce deve zelar por sua reputação científica (ser conhecido como bom teórico, ou experimentalista meticuloso, etc), pois é isto o que vai conferir autoridade à você e você vai ser ouvido acima da multidão.

Tratar os desiguais como se fossem iguais não é democrático, é apenas burrice, especialmente no campo da cultura e da ciência. Marina Silva, por todos os parâmetros (experiencia legislativa, ligação com movimentos sociais, historico partidário, coerência, honestidade etc) é MUITO superior a Dilma e Serra (vc sabia que nosso governador também fraudou o curriculo?).

Marina não precisa inventar curriculos. Ela já tem um, enorme, reconhecido internacionalmente...

Laud disse...

Tá, talvez Osame, você não tenha entendido minha resposta. Mas também não entendi de onde você tirou o "Porque mesmo vc acha Serra, Dilma ou Ciro são melhores que Marina?" Enfim, me parece que não é o caso insistir com questões retóricas, permanece a questão aos correligionários de Marina de convencer a quem ainda está em dúvida porque ela merece o meu (nosso) voto. agora, sobre o Sr. Nobel e o Sr. Zezinho, desculpe, mas achei um tanto preto ou branco, enxergar a questão desta forma. Não era sobre argumento de autoridade propriamente ao que me referia. Mas se você toma o NYT como parâmetro para aferir o quanto Marina é melhor que Dilma, como se um jornal e ainda mais esse, servisse para nos dizer quem importa e quem não, desculpe, esse acho que é o seu lapso, enquanto cientista. Enfim, ainda quero ser convencido de que Marina é a melhor opção.

Laud disse...

E aproveitando esse momento de otium (im)produtivo, já que se referiu a tal mito do argumento de autoridade... entendo que vc divirja de seu colega, enqto físico e enqto "personalidade acadêmica" (no matter if dead or alive), Carl Sagan, então, quanto essa sua valorização da autoridade ou seja, você NÃO considera ser uma falácia, usar argumentos de "Toridades", é isto?

Laud disse...

E aproveitando mais desse meu momento de otium (im)produtivo, já que se referiu ao tal mito do argumento de autoridade... entendo que vc divirja de seu colega, enqto físico e enqto "personalidade acadêmica" (no matter if dead or alive), Carl Sagan, então, quanto a essa sua valorização da autoridade ou seja, você NÃO considera ser uma falácia, usar argumentos de "Toridades", é isto?

Osame Kinouchi disse...

Laud,

Argumentos de autoridade sao usados regularmente em ciencia, no sentido de que se me dizem "Um novo paper do Hawking" mostra que Einstein estava errado, entao eu vou ler, mas se o zezinho da esquina escreve um paper sobre porque Einstein estava errado, eu nao vou gastar meu tempo lendo...

Ou seja, a autoridade ou reputacao servem como filtros de informacao (assim como o NYT é melhor que a Folha ou o Estadao).

A ideia de que os argumentos devem ser vistos friamente, sem levar em conta sua origem (autoridade de quem falou) é um mito iluminista (Ok, talvez Galileu tenha usado esse argumento retorico na sua luta contra os Escolasticos).

Mas citar Galileu ou Sagan ou Feynman em prol da defesa de que nao se deveria ter argumentos de autoridade em ciencia é autocontraditorio! Porque vc citaria justo essas Otiridades, e nao o Zezinho da esquina?

Ou seja, eu posso usar argumentos de autoridade, citar Caetano e melhor ainda, o prof. titular de economia da USP Jose Eli da Veiga, em prol de Marina.

Mas como vc nao aceita argumentos de autoridade (nem como filtros de informacao), entao voce nao deveria ou poderia citar Sagan. Concorda?