Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, janeiro 09, 2007

Cientista prevê 'direitos humanos' para robôs




The greatness of a nation can be judged by the way its animals are treated. Mohandas Gandhi


Da BBC:

Um relatório do governo britânico afirma que robôs podem e devem, no futuro, gozar do que hoje se consideram direitos humanos, diz matéria do diário econômico Financial Times. A previsão, segundo o jornal, foi apresentada pelo cientista do governo, David King, em um relatório de 270 páginas no qual elabora projeções para o mundo dentro de 50 anos.

Em 2056, "chineses andarão sobre a Lua, o mundo terá que ser dividido em blocos monetários depois de um choque de câmbio, e até robôs terão de votar", diz a matéria. A idéia de robôs totalmente integrados à vida social humana, como nos clássicos do escritor de ficção científica Isaac Asimov, segue o que os cientistas acreditam ser o futuro da inteligência artificial.

"Se criarmos robôs conscientes, eles vão querer ter direitos, e provavelmente deveriam tê-los", diz ao FT um pesquisador do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos. "É também lógico que tais direitos correspondam a obrigações cidadãs, incluindo votar, pagar impostos e prestar serviço militar obrigatório", acrescenta o jornal.


Entre os benefícios estariam ainda auxílios de complementação de renda, auxílio-moradia e, possivelmente, um sistema de saúde de robôs, para consertar as máquinas desgastadas pelo tempo. "Seria aceitável chutar um cachorro-robô sendo que não devemos chutar um cachorro de verdade?", indaga ao jornal o pesquisador. "Haverá quem não saiba distinguir entre uma coisa e outra. Precisamos de regras éticas para assegurar que humanos interajam com robôs de forma ética, e não modifiquemos as fronteiras do que consideramos aceitável."


Primeiro foram os escravos, depois os negros, depois as mulheres, as crianças e adolescentes, os homossexuais, os idosos, os indígenas, os deficientes físicos e os fetos com mais de três meses.


Os direitos dos animais serão o próximo passo (basta ver como tratamos nossos pets - você já tem plano de saúde para seu cachorro?). Já existem retiros para aposentadoria de primatas superiores e imagino que elefantes, cetáceos e polvos estão na linha de frente da humanização animal.


Depois virão os direitos dos robôs e androides (se você não sae a diferença entre eles, então já não existe salvação para si, meu amigo....). Se bem que, depois de ter trabalhado uns dez anos em Inteligência Artificial, e ver como as pessoas falam sobre robôs sencientes sem conhecimento de causa, subestimando a vasta complexidade do cerebro, eu duvido que cheguemos a qualquer coisa perto do IA de Spielberg antes do ano de 2300. Que tal primeiro produzirem um robô com a capacidade intelectual de uma abelha?


Em seguida teremos os direitos dos artefatos culturais (objetos artísticos tipo Mona Lisa ou cidades históricas) e ambientes naturais (parques nacionais, redutos florestais etc.): direito à existência, direito à preservação, direito à restauração, proteção contra arbitrariedades caso sejam propriedade particular etc.


Ops, incrível, na verdade já possuímos isso, embora nuitas vezes não na forma legal de "direitos civis" dos atores ou objetos envolvidos, por que aparentemente só podem ter plenos direitos legais seres humanos plenamente responsáveis. Isso deixa de fora, parcialmente, as crianças, os deficientes mentais, as pessoas com problemas psiquiátricos graves e os indigenas - caso estes não possuam cidadania brasileira.


Acho que tudo isso envolve, na aplicação do Direito, a distinção (preconceito?) primária sujeito/objeto ou pessoa/objeto, que talvez sejam entulhos filosóficos de velhas teologias: pessoas têm "almas" e "direitos divinos", animais, robôs e objetos não. Mas será mesmo?


O que a ciência têm mostrado cada vez mais é o quanto nossas ações são pulsionais, inconscientes e "robóticas", e que nosso livre arbítrio é mais aparente do que real. E, da mesma forma, o quanto animais e robôs podem apresentar comportamento inteligente, autônomo, inesperado e aparentando certo grau de aparente livre-arbítrio. Mas isso é o tema do próximo post...

PS: Foto de uma robô-feminina japonesa.

Nenhum comentário: