Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, janeiro 15, 2010

A principal diferença entre gripe suína e gripe comum

15/01/10 - 16h27 - Atualizado em 15/01/10 - 17h03

EUA estimam que nova gripe adoeceu 39 milhões a 80 milhões de americanos

Números referem-se ao período entre abril e 12 de dezembro de 2009.
Hospitalizações causadas pelo vírus H1N1 foram 173 mil a 362 mil.


O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) divulgou nesta sexta-feira (15) seu boletim de avaliação do quadro epidemiológico da nova gripe. O órgão estimou que o vírus H1N1 adoeceu entre 39 milhões a 80 milhões de americanos e levou a 173 mil a 362 mil hospitalizações. O total de mortes causadas pela influenza foi de no mínimo 7.880 e no máximo 16.460.

O boletim do CDC confirma que pessoas com menos de 65 anos são mais gravemente afetadas pela doença. Cerca de 90% das hospitalizações estimadas e 88% das mortes foram de americanos com menos de 65 anos. No caso da gripe comum, a situação é inversa: 60% das hospitalizações e 90% das mortes são de pessoas com 65 anos de idade ou mais.


Referencia para o paper da Ariadne:


Scaling in the Global Spreading Patterns of Pandemic Influenza A and the Role of Control: Empirical Statistics and Modeling

The pandemic of influenza A (H1N1) is a serious on-going global public crisis. Understanding its spreading dynamics is of fundamental importance for both public health and scientific researches. In this paper, we investigate the spreading patterns of influenza A and find the Zipf's law of the distributions of confirmed cases in different levels. Similar scaling properties are also observed for severe acute respiratory syndrome (SARS) and bird cases of avian influenza (H5N1). To explore the underlying mechanism, a model considering the control effects on both the local growth and transregional transmission is proposed, which shows that the strong control effects are responsible for the scaling properties. Although strict control measures for interregional travelers are helpful to delay the outbreak in the regions without local cases, our analysis suggests that the focus should be turned to local prevention after the outbreak of local cases. This work provides not only a deeper understanding of the generic mechanisms underlying the spread of infectious diseases, but also an indispensable tool to decision makers to adopt suitable control strategies.
Comments:13 pages, 16figures
Subjects:Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as:arXiv:0912.1390v1 [physics.soc-ph]

4 comentários:

Anônimo disse...

Osame, como ficam os 70.000 óbitos anuais por gripe sazonal do Temporão?

Dário Cardina Codinha disse...

Olá Osame,

De facto parece haver uma inversão na percentagem de infecção das faxas etárias. O A/H1N1/2009 tem 2 segmentos genómicos pertencentes ao H1N1 de 1918 o que leva a que as pessoas mais idosas tenham alguma resistência a esta nova estirpe.

Desde 1977 circulam duas estirpes: H3M2 e H1N1. Estas duas, por recombinação antigénica (ou shift antigénic) formaram uma nova estirpe, potencialmente pandémica (tal como todas as estirpes formadas por shift antigénico.

Osame Kinouchi disse...

O Helio Schartzmann analisou essa questao dos 70 mil aqui:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/pensata/helioschwartsman/ult510u657464.shtml

lgustavo disse...

se foram 80 milhes somente no EUA, imagina quando foram isso no mundo todo e as mortes

Notícias Regionais - Cidades, Guia Comercial Grátis