Ocorreu um erro neste gadget

sábado, outubro 04, 2008

Sobre B. B. Jenitez


Para quem não conhece, B. B. Jenitez é meu pseudônimo literário e Osame Kinouchi meu pseudônimo científico (meu nome de batismo é Osame Kinouchi Filho). 

A origem de B. B. Jenitez foi a sátira Projeto Mulah de Tróia que escrevi ao livro Operação Cavalo de Tróia, de J. J. Benitez, que é um dos maiores picaretas da New Age. Embora a série cavalo de tróia tenha vendido horrores, especialmente aqui no Brasil (atualmente está no oitavo volume e o nono volume será lançado agora em outubro).

Como o objetivo deste blog é ser (também) uma espécie de currículo Lattes de todas as coisas que não posso colocar no currículo Lattes, e o registro dos pequenos elogios que se recebe ao longo da vida (o que ajuda a  torná-la suportável), fica aqui registrado a crítica que Fábio Fernandes fez do meu conto PMT na revista SOMNIUM do Clube dos Leitores de Ficção Científica. Eu acredito que foi essa crítica que fez com que o conto ganhasse o prêmio NOVA de melhor conto amador de 1990:

Uma feliz estréia no Somnium. Oculto por um óbvio mas não menos engraçado pseudônimo, o autor nos brinda com uma bem dosada mistura de Umberto Eco e Planeta Diário (quem aí não leu o folhetim A vingança do bastardo?): uma história recheada de referências internas, coerentes do início ao fim (leia-se sem falhas estruturais, como contradições, por exemplo) e com estilo impecável. Jenitez, ao contrário do que o LP psicografado do Cazuza afirma, não mente: descrições claras e pouca adjetivação, além de uma ironia finíssima, são o prato principal de um conto que ninguém precisa decifrar para ler. Um trabalho bem escrito não pode ser analisado a fundo, basta apenas que seja lido. E esta estória deve ser lida.

Eu não tenho o Projeto Mulah de Tróia em arquivo (vou ver se a Juju digita isso prá mim) e, mais absurdo, eu não tenho o Projeto Mulah de Tróia II nem em papel! Será que alguém da velha guarda do CLFC o têm? Acho que foi publicado no número 50. Mas se você quiser dar uma olhada no Projeto Mulah de Tróia XXIV (SOMNIUM 89: 13-14), eu o coloquei aqui.

PS: Cuidado, não me confundam com este blogueiro plagiador de pseudônimos!

PS2: Cuidado, não confundam a cidade Mulah, do atol Meemu com o termo islâmico Mullah, que não foi usado como título dos meus contos. Nada de sentenças religiosas contra mim, please!

Nenhum comentário: