Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, outubro 21, 2008

(Falsas) Memórias e rítmo: Bee Gees


Pesquisas recentes mostram que quando lembramos de alguma coisa, nossas memórias se tornam lábeis e depois se reconsolidam, eventualmente com elementos intrusos (falsas memórias etc). É por isso que não se deve confiar muito em testemunha ocular, seja de batida de automóvel seja de UFOs, e certamente, não quando submetido à hipnose (pois o efeito das sugestões e do contexto de crença fica maior), como no caso, de novo, de abduzidos, de terapia de vidas passadas e de abuso sexual. 

É interessante que estes três contextos envolvem forte reativação da amídala (amigdala), envolvida principalmente nos circuitos de medo e de sexo, e acho que aí está a explicação de porque extraterrestres fazem abuso sexual,  em vez das mirabolantes teorias conspiratórias sobre manipulação genética.

Dia desses assisti os Embalos de Sába à Noite no Cineclube Cauim, junto com Angélica. No meio do filme, ela me pergunta: "Mas... cadê a Olívia Newton John?"

Do Yahoo:

Um dos maiores sucessos do grupo Bee Gees, "Stayin' Alive", música tema do filme "Os Embalos de Sábado à Noite", pode ajudar a salvar vidas, informou a rede britânica BBC.

De acordo com um estudo feito pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, a música auxilia os médicos na realização da ressuscitação cardiopulmonar (CPR), utilizada em pacientes com paradas cardiorespiratórias.

Parece estranho, mas não é. O número de batidas por minuto é essencial para a boa realização do procedimento. A canção do grupo britânico tem 103 batidas por minuto, e os médicos recomendam que CPR seja realizado com um ritmo de 100 batidas por minuto.

O estudo, feito com dez médicos e cinco estudantes de medicina da universidade americana, mostrou que com a ajuda de "Stayin' Alive", lançada em 1977, eles mantiveram as compressões em 109 BPM, mais rápido que o ideal, mas no limite aceitável. A música já tem sido usada pela Associação Americana do Coração para treinar médicos de emergência há dois anos.

Um comentário:

Sandra Goraieb disse...

Gostei da dica! Vou usar na próxima PCR. :)