Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, janeiro 28, 2008

Notícia antiga mas importante


Acho muito curioso que vérios sitemas em física estatística são insolúveis em d = 3. Por que exatamente nesta dimensão? Por que não em d = 4, d = 11, ou d = 32? . Seria uma coincidência que também d = 3 é a dimensão espacial de nosso universo? Ou estariam as duas coisas relacionadas? Por exemplo, talvez o fato de que um modelo físico seja NP-completo seja um pré-requisito para ele representar sistemas complexos de uma hierarquia superior. Ou, invertendo as coisas, só é possivel ter verdadeira complexidade (seja isso o que for) na presença de problemas NP-completos, e isso, em termos de sistemas físicos, ocorre geralmente com d = 3. Mais um argumento a là princípio antrópico fraco para o fato de que d = 3 em nosso universo. O outro argumento, se bem me lembro, se relacionava com a questão da estabilidade de órbitas keplerianas em d dimensões...

Sandia researcher Sorin Istrail (Photo by Randy Montoya)




Three-dimensional proof for Ising model impossible, Sandia researcher claims to have shown




Why, in Superbowl of statistical mechanics, famous players could never cross goal line
By Neal Singer

When a lake freezes over, how do trillions of randomly oriented water molecules know at almost the same time to align themselves into crystalline form? Similarly, when iron becomes magnetized, how do trillions of atoms know to align their spins almost instantly?

The best-studied model in science to discuss these phase changes and, indeed, a wide variety of changes in state (neural networking, protein folding, flocking birds, beating heart cells, questions of economics, and more) is the Ising model, developed by Ernst Ising in 1926 as part of his PhD dissertation.
Ising conceived of a linear chain, composed of particles that have magnetic moments called ³spins² able to take an up or down position. Each particle¹s spin influences the spins of the moments bordering it. The conception was expanded almost 20 years later into a two-dimensional grid of upward or downward spins, each spin influencing the behavior of spins around it, with a wider application in the material world.
The model can be expanded to any three-dimensional lattice model, and its properties figured out numerically with a high degree of accuracy. But not exactly. Not for the general case. As opposed to the known mathematical solutions for one or two dimensions, no one has been able to find an exact solution to any three-dimensional lattice problem in terms of elementary equations you could look up in a math book.
The continued application of Ising¹s model ‹ more than 8,000 papers published between 1969 to 1997 ‹ has tempted many scientists to extend the grid¹s usefulness into three dimensions, the realm in which most real-world problems take place.
Now Sandia computational biologist Sorin Istrail has shown that the solution of Ising¹s model cannot be extended into three dimensions for any lattice, and so exact solutions can never be found.
Sorin, who has just taken entrepreneurial leave from Sandia to accept the position of Senior Director of Informatics Research with Celera Genomics Corporation, says his paper will be published in May in the Proceedings of the Association for Computing Machinery¹s (ACM) 2000 Symposium on the Theory of Computing.
Says Sorin, ³Naturally, it¹s not as useful as finding the Holy Grail. We all wanna be like Lars [Onsager, the Nobel-Prize chemist who, in a mathematical tour-de-force, extended the Ising model solution from one dimension to two]. But at least no one now needs to spend time trying to solve the unsolvable.²
To prove that the solution could not be extended, Sorin resorted to a method called computational intractability, which identifies problems that cannot be solved in humanly feasible time. There are approximately 6,000 such problems known in all areas of science. They are all mathematically equivalent to each other. A solution to one would be a solution to all. Says Sorin, ³I showed that the Ising problem, for any lattice, is one of those problems. Therefore, it is computationally intractable.²
Nobel laureate Richard Feynman wrote in 1972 of the three-dimensional Ising model that ³the exact solution for three dimensions has not yet been found.²
Other researchers who have tried read like a roll call of famous names in science and mathematics: Onsager, Kac, Feynman, Fisher, Kasteleyn, Temperley, Green, Hurst, and more recently Barahona.
Says Sorin, ³What these brilliant mathematicians and physicists failed to do, indeed cannot be done.²
As for Ising, whom Sorin describes as ³a genius,² the young German-Jewish scientist was barred from teaching when Hitler came to power. The modeler worked menial jobs and, though he survived World War II and taught afterwards in the United States, never published again.

quinta-feira, janeiro 24, 2008

Colonias de células podem possuir mentes?


Bom, cérebros são colônias de células, logo...


E colônias de mentes, poderiam apresentar supermentes (inteligências coletivas?)


Será que a personificação do mercado, que possui "emoções" (nervoso, ansioso, calmo, otimista, pessimista), "inteligência" (faz cálculos de otimização de preços e alocação de recursos) e "memória" (isso é trivial nos mercados) seria algo mais do que uma analogia fetichista? Não é o mercado, ou talvez os diversos mercados, inteligências coletivas?
E não seriam os deuses de cada comunidade religiosa o análogo cultural de tais inteligências coletivas? Não seria Yavhé uma inteligência coletiva do povo judeu, emergindo de uma rede social onde as pessoas fazem o papel de neurônios, as instituições fazem o papel de memória sináptica e palavras e ações fazem o papel de spikes?

Uma rede social possui memória, inteligência e emoção (na forma de estados emocionais coletivos, emergentes e muitas vezes irracionais do ponto de vista do indivíduo - tipo reação das multidões à morte da princesa Diana). Ou seja, uma rede social possui um tipo de mente, e é apenas uma questão de gosto (ou nomenclatura) chamar essa mente de um "deus" (no sentido do paganismo, ou seja, uma inteligência finita mas sobre-humana).


OK, eu não sei se redes de seres humanos possuem inteligência coletiva, mas redes de neurônios burrinhos e redes de bactérias estupidas como o slime mold parece que possuem...


Quem acredita nesse tipo de deus = inteligência coletiva, é ateu ou teísta?



Slime mould displays remarkable rhythmic recall.
Philip Ball


Slime moulds demonstrate primitive learning and memory.


Learning and memory — abilities associated with a brain or, at the very least, neuronal activity — have been observed in protoplasmic slime, a unicellular organism with multiple nuclei.

The team found that when the mould experienced three episodes of dry air in regular succession an hour apart, it apparently came to expect more: it slowed down when a fourth pulse of dry air was due, even if none was actually applied. Sometimes this anticipatory slow-down would be repeated another hour later, and even a third. The same behaviour was seen when the pulses were experienced at other regular time intervals — say, every half hour or every 1.5 hours.
If the dry episodes did not recur after the first three, the amoeba's sense of expectation gradually faded away. But then applying a single dry pulse about six hours later commonly led to another anticipatory slowing in step with the earlier rhythm.

The same team has previously shown that these amoebae can negotiate mazes and solve simple puzzles2,3. So the new finding adds to “the cool things Physarum can do”, says applied mathematician Steven Strogatz of Cornell University in Ithaca, New York.

Like all living organisms, slime moulds have built-in biochemical oscillators, like the human body clock. In other kinds of slime mould, these oscillators can create periodic ripple patterns in response to environmental stress, helping the organism coordinate its movements. Nakagaki's group thinks that the versatile rhythmic sense of Physarum stems from many different biochemical oscillators in the colony operating at a continuous range of frequencies.
The team's calculations show that such a group of oscillators can pick up and 'learn' any imposed rhythmic beat, although the knowledge decays quickly once stimulus ceases. The calculations also show that a memory of the beat can stay within the system, and be released again by a single, later pulse — just as the researchers observed.
References
Saigusa, T., Tero, A., Nakagaki, T. & Kuramoto, Y. Phys. Rev. Lett. 100, 018101 (2008). Article ChemPort
Nakagaki, T., Yamada, H. & Tóth, Á. Nature 407, 470 (2000). Article PubMed ChemPort
Nakagaki, T., Kobayashi, R., Nishiura, Y. & Ueda, T. Proc. R. Soc. B 271, 2305-2310 (2004). Article PubMed

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Mapa da febre amarela no Brasil


Animais políticos são pessoas?


Da Wikipedia: Elephants are symbols of wisdom in Asian cultures, and are famed for their memory and high intelligence, and are thought to be on par with cetaceans[5] and hominids[6]. Aristotle once said the elephant was "the beast which passeth all others in wit and mind."


"Man is by nature a political animal". Aristotle


Do NYT:


(...)

Among elephants, it is the females who are the born politicians, cultivating robust and lifelong social ties with at least 100 other elephants, a task made easier by their power to communicate infrasonically across miles of savanna floor.

(...)

Wherever animals must pool their talents and numbers into cohesive social groups, scientists said, the better to protect against predators, defend or enlarge choice real estate or acquire mates, the stage will be set for the appearance of political skills — the ability to please and placate, manipulate and intimidate, trade favors and scratch backs or, better yet, pluck those backs free of botflies and ticks.
Over time, the demands of a social animal’s social life may come to swamp all other selective pressures in the environment, possibly serving as the dominant spur for the evolution of ever-bigger vote-tracking brains. And though we humans may vaguely disapprove of our political impulses and harbor “Fountainhead” fantasies of pulling free in full glory from the nattering tribe, in fact for us and other highly social species there is no turning back. A lone wolf is a weak wolf, a failure, with no chance it will thrive.


Dario Maestripieri, a primatologist at the University of Chicago, has observed a similar dilemma in humans and the rhesus monkeys he studies.
“The paradox of a highly social species like rhesus monkeys and humans is that our complex sociality is the reason for our success, but it’s also the source of our greatest troubles,” he said. “Throughout human history, you see that the worst problems for people almost always come from other people, and it’s the same for the monkeys. You can put them anywhere, but their main problem is always going to be other rhesus monkeys.”


L'enfer, c'est les autres. Jean Paul Sartre
As Dr. Maestripieri sees it, rhesus monkeys embody the concept “Machiavellian” (and he accordingly named his recent popular book about the macaques “Macachiavellian Intelligence”).
“Individuals don’t fight for food, space or resources,” Dr. Maestripieri explained. “They fight for power.” With power and status, he added, “they’ll have control over everything else.”

(...)

Hal Whitehead of Dalhousie University and his colleagues have found surprising parallels between the elephant and another mammoth mammal, the sperm whale, possessor of the largest brain, in absolute terms, that the world has ever known.

As with elephants, the core social unit is a clan of some 10 or 12 females and their offspring. Sperm whales also are highly vocal. They communicate with one another using a Morse code-like pattern of clicks. Each clan, Dr. Whitehead said, has a distinctive click dialect that the members use to identify one another and that adults pass to the young. In other words, he said, “It looks like they have a form of culture.”
Nobody knows what the whales may have to click and clack about, but it could be a form of voting — time to stop here and synchronously dive down in search of deep water squid, now time to resurface, move on, dive again. Clans also seem to caucus on which males they like and will mate with more or less as a group and which ones they will collectively spurn. By all appearances, female sperm whales are terrible size queens. Over the generations, they have consistently voted in favor of enhanced male mass. Their dream candidate nowadays is some fellow named Moby, and he’s three times their size.

Sexo não está no cérebro, mas no nariz, sugere pesquisa nos EUA


Folha online: da France Presse, em Paris


A enorme diferença entre o comportamento sexual de machos e fêmeas poderia ser explicada, pelo menos entre os animais, por um pequeno órgão localizado no nariz, e não por diferenças de gênero definidas pelo cérebro.
É o que afirmam pesquisadores nos Estados Unidos, que se confessam bastante surpresos com a descoberta e suas conseqüentes implicações na compreensão da sexualidade.
A pesquisa foi coordenada por Catherine Dulac, professora de biologia celular e molecular da Universidade de Harvard e pesquisadora do Instituto Médico Howard Hughes. Durante o estudo, publicado pela revista científica inglesa "Nature", a equipe manipulou geneticamente um grupo de camundongos fêmeas, retirando do DNA dos roedores o gene TRPC2, provocando um curto-circuito no chamado órgão vomeronasal.
Esse pequeno órgão no nariz apresenta um grande número de células receptoras de feromônios --odores primitivos responsáveis pelas reações dos vertebrados a situações que envolvem agressividade e sexo.
Para surpresa dos cientistas, as fêmeas de camundongo manipuladas geneticamente apresentaram comportamento sexual bastante atípico. Elas cheiravam e corriam atrás de outras fêmeas, balançavam os "quadris", empurravam e montavam nos machos, emitindo ruídos semelhantes aos usados por camundongos machos para demonstrar interesse sexual.
Mas o comportamento não foi totalmente igual ao dos machos: as fêmeas geneticamente modificadas se relacionaram sexualmente com os machos da maneira habitual. Além disso, ao contrário do que fazem os camundongos, elas não atacaram outros machos.
Porém, quando nasceram suas ninhadas, as ratinhas voltaram a se comportarem como machos, displicentes com os bebês e "sedentas" por mais sexo.
Normalmente, as fêmeas de camundongo passam 80% do tempo no ninho cuidando de seus recém-nascidos e expulsando qualquer macho que se aproxime. Não foi o que aconteceu com as fêmeas manipuladas no estudo, que apenas dois dias depois do parto já começaram a sair do ninho e a deixar seus filhotes sozinhos, além de demonstrar receptividade aos machos que se aproximavam.
"Esses resultados são surpreendentes", disse Dulac. "Ninguém jamais imaginou que uma simples mutação genética como essa pudesse induzir fêmeas a se comportarem como machos."
Mais provas
Para verificar se houve algum outro fator nos animais geneticamente manipulados que pudesse ter induzido às drásticas mudanças comportamentais, os cientistas removeram cirurgicamente os órgãos vomeronasais dos focinhos de fêmeas normais --e as mudanças observadas foram as mesmas.
As descobertas são importantes, pois corroboram os argumentos daqueles que, por décadas a fio, buscam fatores latentes na estrutura cerebral para explicar por que o comportamento sexual de machos e fêmeas é tão diferente.
A resposta parece ser: não há diferença --pelo menos, não nos camundongos. A estrutura cerebral aparenta ser a mesma.
"De modo geral, o resultado sugere que o cérebro feminino possui um circuito de comportamento masculino perfeitamente funcional", afirmou Dulac, "reprimido" por sinais do órgão vomeronasal.

sábado, janeiro 19, 2008

Tablóide?


As vezes penso se o SEMCIÊNCIA não seria um blog tablóide de ciência. Afinal isso explicaria a presença de Angelina Jolie e Natalie Portman por aqui. Mas o que eu fico realmente chateado é perceber que os jornalistas científicos de hoje ficam discutindo temas que já eram discutidos há décadas por escritores de ficção científica com muito mais informação, insight, imaginação e amplitude de análise. Afinal, como já disseram, para prever na década de 50 o aparecimento de super-rodovias bastavam os economistas e futurólogos de plantão, mas foram os escritores de FC que previram os engarrafamentos...


Do Editor do UOL Tablog:



Gente, esses filmes de ficção têm muita ficção!
Li uma notícia bem legal hoje: "Livro mostra Hollywood como universo à parte". Sobre um livro que espinafra os filmes de ficção e fantasia que desafiam as leis da física: a conclusão do autor é que esses filmes têm muita ficção e fantasia!
Ah, vá!
O cara desce a lenha em "Jornada nas Estrelas", "Guerra nas Estrelas" etc. Diz que o Homem-Aranha, se criasse a teia que dispara pelos punhos, perderia 33% do volume do seu corpo a cada 1,6 quilômetros (ou seja, no primeiro passeio já morreria esgotado). Reclama que o King Kong teria esmagado sem querer e matado a Naomi Watts (que desperdício!). E acusa que a trilogia "Matrix" esbarra na segunda lei da termodinâmica.
Ou seja: ele não estranha um cara ser picado por uma aranha radioativa, sobreviver e sair por aí pendurando-se pelas paredes; acha que é normal um macaco gigante apaixonado pela Naomi Watts (se bem que se apaixonar pela Naomi Watts é compreensível); e quanto ao "Matrix"...
Ele também reclama quando assiste ao "Superman"? "Ei, esse cara está voando!" Ou "O Dia em que a Terra Parou!"? "Que bobagem! Nenhum alienígena se pareceria com esse!" Aposto que esse cara é tão chato que chiou na cena da bicicleta de "E.T. - O Extra-Terrestre" e que reclama que "Os Simpsons" é inverossímil porque ninguém seria tão burro quanto Homer Simpson!
Será que ele não tem imaginação? Não gosta de se divertir?



Quem tem medo dos clones humanos I?

Quando der tempo, vou comentar as notícias recentes sobre uma equipe americana que teria obtido clones de embriões humanos. Por enquanto, vou esquentando os motores aqui.


A ética e os efeitos sociais da clonagem humana são discutidos há mais de 30 anos na literatura de ficção científica (Terra Imperial, de Arthur C. Clark sendo um clássico que merece ser lido). Mais recentemente, o filme A Ilha discutiu o tema com a premissa absurda de que só se poderiam obter orgãos para transplante de clones adultos plenamente desenvolvidos (sim, em FC, os livros sempre são melhores que os filmes, com excessão de Blade Runner, é claro!). Da Wikipedia:






Imperial Earth (ISBN 0-15-144233-9) is a novel written by Arthur C. Clarke, and published in time for the U.S. bicentennial in 1976 by Ballantine Books. It follows the protagonist (Duncan Makenzie) on a trip to Earth from his home on Titan, ostensibly for a diplomatic visit to the U.S. for its 500th birthday, but really in order to have a clone of himself produced.
The puzzle game Pentominos features in a prominent subplot of the novel.
The book offers socially liberal ideas about sexuality and racial attitudes. Duncan Makenzie is Black, which is not mentioned until approximately halfway through the book, because the fact is of no more importance to him than his hair color. At several points he also reminisces about sexual affairs with males, and that bisexuality is now considered the norm. Exclusive heterosexuality or homosexuality is not generally practiced.
It is common in science fiction to offer perspectives of social issues. Clarke addresses issues of racism, the spectre of cloning (which was a very new topic in the early 1970s), and the economics of energy production and control.
Clarke describes in great detail throughout the book a personal communications device called a 'minisec' combining mobile video phone and PDA with global data connectivity. He also describes a larger desk 'comsole' or communications console giving similar access to global information services.

(...)

Duncan Makenzie,is the latest generation of the 'first family' of Titan, a colonised moon of Saturn. Originally settled by Malcolm Makenzie in the early 23rd century, Titan's economy has flourished based on the harvest and sale of hydrogen mined from the atmosphere, hydrogen that fuels the fusion engines of interplanetary spacecraft.
As the plot opens in 2276, a number of factors are combining to make a diplomatic visit to the 'mother world' of Earth a necessity. Firstly, the forthcoming 500th anniversary of US Independence which is bringing in colonists from the entire Solar System, obviously needs a suitable representative from Titan. Secondly, the Makenzie family carry a fatal damaged gene that means any normal continuation of the family line is impossible — so both Duncan and his father Colin are clones of his grandfather Malcolm. Human cloning is a mature technology, but is even at this time ethically controversial. And thirdly, technological advances in spacecraft drive systems — specifically the 'asymptotic drive' which improves the fuel efficiency by orders of magnitude — means that Titan's whole economy is under threat as the demand for hydrogen is about to collapse.
A number of other sub-plots suggest some sort of greater mystery, but remain unexplored. The book ends with him returning home with his new "child" (who is a clone of brilliant but erratic former best friend Karl Helmer), leaving the other plot threads dangling.

quinta-feira, janeiro 17, 2008

Publicar ou perecer?


O site Publish or Perish usa o Google Scholar para calcular cerca de 15 índices de produção bibliográfica (não confundir com produtividade acadêmica, que inclui fatores como orientação etc.). Vale a pena dar uma olhada.

Are you applying for tenure, promotion or a new job? Do you want to include evidence of the impact of your research? Is your work cited in journals which are not ISI listed? Then you might want to try Publish or Perish, designed to help individual academics to present their case for research impact to its best advantage.

Publish or Perish is a software program that retrieves and analyzes academic citations. It uses Google Scholar to obtain the raw citations, then analyzes these and presents the following statistics:

  • Total number of papers
  • Total number of citations
  • Average number of citations per paper
  • Average number of citations per author
  • Average number of papers per author
  • Average number of citations per year
  • Hirsch's h-index and related parameters
  • Egghe's g-index
  • The contemporary h-index
  • The age-weighted citation rate
  • Two variations of individual h-indices
  • An analysis of the number of authors per paper.

As a general rule of thumb, I would suggest that using Google Scholar might be most beneficial for three of the GS categories: Business, Administration, Finance & Economics; Engineering, Computer Science & Mathematics; Social Sciences, Arts & Humanities. Although broad comparative searches can be done for other disciplines, I would not encourage heavy reliance on Google Scholar for individual academics working in other areas without verifying results with either Scopus or WoS.

Metrics

In addition to the various simple statistics (number of papers, number of citations, and others), Publish or Perish calculates the following citation metrics (see Citation metrics for more details):

Hirsch's h-index
Proposed by J.E. Hirsch in his paper An index to quantify an individual's scientific research output, arXiv:physics/0508025 v5 29 Sep 2005. It aims to provide a robust single-number metric of an academic's impact, combining quality with quantity.
Egghe's g-index
Proposed by Leo Egghe in his paper Theory and practice of the g-index, Scientometrics, Vol. 69, No 1 (2006), pp. 131-152. It aims to improve on the h-index by giving more weight to highly-cited articles.
Contemporary h-index
Proposed by Antonis Sidiropoulos, Dimitrios Katsaros, and Yannis Manolopoulos in their paper Generalized h-index for disclosing latent facts in citation networks, arXiv:cs.DL/0607066 v1 13 Jul 2006. It aims to improve on the h-index by giving more weight to recent articles, thus rewarding academics who maintain a steady level of activity.
Age-weighted citation rate (AWCR) and AW-index
The AWCR measures the average number of citations to an entire body of work, adjusted for the age of each individual paper. It was inspired by Bihui Jin's note The AR-index: complementing the h-index, ISSI Newsletter, 2007, 3(1), p. 6. The Publish or Perish implementation differs from Jin's definition in that we sum over all papers instead of only the h-core papers.

Individual h-index (2 variations)

The Individual h-index was proposed by Pablo D. Batista, Monica G. Campiteli, Osame Kinouchi, and Alexandre S. Martinez in their paper Is it possible to compare researchers with different scientific interests?, Scientometrics, Vol 68, No. 1 (2006), pp. 179-189. It divides the standard h-index by the average number of authors in the articles that contribute to the h-index, in order to reduce the effects of co-authorship.

Publish or Perish also implements an alternative individual h-index that takes a different approach: instead of dividing the total h-index, it first normalizes the number of citations for each paper by dividing the number of citations by the number of authors for that paper, then calculates the h-index of the normalized citation counts. This approach is much more fine-grained than Batista et al.'s; we believe that it more accurately accounts for any co-authorship effects that might be present and that it is a better approximation of the per-author impact, which is what the original h-index set out to provide.


Bom, dado que aparentemente eu sou um dos responsáveis por divulgar essas novas métricas baseadas no índice h, deixa eu deixar claro minha posição quando à questão de avaliação por índices quantitativos.

Primeiro, é importante tais índices sofrem de todas as limitações e abusos comuns a qualquer índice estatístico, como PIB, IDH, índice de mortalidade infantil etc. É claro que esses índices são falhos e não retratam a realidade do país (alguma medida em física retrata a Realidade com R maiúsculo?). Mas isso significa que são inúteis e que poderíamos dispensá-los? Não seria melhor aprimorá-los, substituí-los, aumentar seu número?

Segundo, nossos alunos sempre reclamaram de índices numéricos (e estatísticos) tais como média ponderada de notas de provas e trabalhos, e é bom sentir na pele o que eles sentem na deles. Pimenta nos olhos dos outros é refresco. Mas é claro que o bom conceito dos professores, transmitido a boca pequena, cartas de recomendação e outras avaliações qualitativas têm o seu peso. A avaliação nunca é apenas quantitativa, nem no caso dos alunos nem no caso da avaliação por pares. Mas não pode ser "menos que quantitativa".

Assim, quanto a índices númericos ou binários (0 = não faz parte do quadro da pós, 1 = faz parte), vemos que o que se associa a um dado pesquisador é um vetor em um espaço N-dimensional, onde N é o número de índices. O importante seria ter um espaço bastante grande, para depois poder fazer Análise de Componentes Principais (PCA), aplicar métodos de clusterização, etc. Daí descobriríamos eventualmente agrupamentos, ou seja, profissionais com ênfase em ensino, pesquisa, orientação, extensão, administração científica, empreendorismo científicos etc. Outra coisa é a valorização ou recompensa associada a esses nichos, algo a ser melhor discutido.

PS: Seja o vetor de índices X = (x_1, x_2,...,x_N). Não adianta querer ranquear as pessoas por um escalar R = W.X, onde W seria um vetor de pesos. Mesmo otimizando W, isto seria equivalente a um perceptron linear. A decisão tipo função degrau Theta(R-Lambda) de dar ou não bolsa de produtividade para as pessoas com Rank R maior que o limiar Lambda equivale a usar um Perceptron de única camada, que faz apenas classificação de pontos linearmente separáveis. Talvez fosse possível usar uma rede neural multicamadas para distribuir as bolsas do CNPq, mas afinal de contas, quem iria elaborar a lista do conjunto de treinamento (exemplos input-output corretos)? E como testar se o erro de generalização é baixo?

terça-feira, janeiro 15, 2008

Culinária

Para o paper sobre evolução da culinária ( a relação com Brian Skyrms um dia eu conto):

Recipe
Cookbook
Algorithm

Meme
Memetics

Brian Skyrms

From Wikipedia, the free encyclopedia

Jump to: navigation, search
Professor Brian Skyrms
Professor Brian Skyrms

Brian Skyrms is a Distinguished Professor of Logic and Philosophy of Science and Economics at the University of California, Irvine and a regular visiting member of the philosophy department at Stanford University. He has worked on problems in the philosophy of science, causation, decision theory, game theory, and the foundations of probability. Most recently, his work has focused on the evolution of social norms using evolutionary game theory. His two most recent books Evolution of the Social Contract and The Stag Hunt are both on this topic. These books use arguments and examples from evolutionary game theory to cover topics of interest to political philosophy, philosophy of the social science, philosophy of language, and the philosophy of biology.

Skyrms is one of only two (living) philosophers that are members of the United States National Academy of Sciences.


Wormholes











sexta-feira, janeiro 11, 2008

O papa e a razão


Aparentemente ninguém ainda percebeu (ou quer reconhecer) que o discurso do Papa Ratzinger provém da mesma fonte que o discurso de Marcuse e Feyrabend, e de muito da filosofia francesa pós-guerra: o Romantismo Alemão, Nietzsche, o nazista Heidegger.
De um site biográfico: After finishing high school in 1942, he was drafted into the German army - an inconvenience according to Feyerabend, not a moral problem, because more than anything else he wanted to read. However, he also considered joining the SS, mainly for aesthetic reasons: "an SS man looked better and spoke better and walked better than ordinary mortals". For his service on the eastern front Feyerabend was awarded an Iron Cross, second class, in 1944.
(...) Although Feyerabend's agitative style did not even scratch the surface of academic etiquette, his anti-foundational mode of thought, arguments against rationality, and epistemological anarchism stimulated the postmodernist deconstruction of tradition. On the other hand, before becoming pope Cardinal Ratzinger mentioned in a talk Feyerabend in support of his views.
É interessante que, aqui no Brasil, Rubem Alves fez uma volta de 180 graus, da Teologia da Libertação para uma visão contracultural da ciência, ou seja, converteu-se essencialmente à mesma visão romântica do atual Papa...

Do Blog do Marcelo Coelho, Folha de São Paulo.

Continuo aqui os comentários sobre a nova encíclica do papa, que já foi assunto de posts anteriores.


Ratzinger afirma que a fé não se resume a uma questão de convicção individual. “Como é que se chegou”, pergunta, “a considerar o cristianismo como busca egoísta da salvação que se recusa a servir os outros”?


O erro, segundo Ratzinger, vem com a própria idade moderna. A descoberta da América e as novas conquistas da técnica inauguraram uma nova época na história humana. A encíclica elege como alvo as concepções de Francis Bacon (1561-1626), que confiava numa “vitória da arte sobre a natureza”, ou seja, numa nova correlação entre ciência e prática; a redenção não viria da fé, mas da possibilidade de se instaurar, neste mundo mesmo, “o reino do homem”.


Desse modo, diz Ratzinger, a fé passou a ser entendida como algo irrelevante para o mundo. “Esta visão programática determinou o caminho dos tempos modernos, e influencia inclusive a atual crise da fé que, concretamente, é sobretudo uma crise da esperança cristã.”


Progresso, razão, liberdade: são estes três conceitos que o papa considera necessário criticar, ou, pelo menos, reduzi-los a dimensões mais modestas. O leitor da encíclica pode ver com clareza que o estigma de “reacionário” e “conservador”, que se aplica freqüentemente ao papa, está longe de ser um mero clichê jornalístico.


Ratzinger combate a idéia de que razão e liberdade possam “garantir, por si mesmas, em virtude de sua intrínseca bondade, uma nova comunidade humana perfeita”. E recorre a dois exemplos fartamente conhecidos: a revolução francesa e a revolução russa, que visando a instituir uma comunidade perfeita produziram os assassinatos e os horrores que se conhece.


Sempre me pergunto, nessas ocasiões, por que sociedades desenvolvidas e livres, como Holanda ou Dinamarca, nunca são lembradas como experiências sociais bem-sucedidas dentro desse mesmo espírito de “modernidade” que o papa quer criticar... Dois países protestantes, aliás.


Para combater os ideais modernos de razão e liberdade, o papa utiliza um recurso bastante capcioso. O socialismo defendido por Marx não deu certo, diz Ratzinger, porque “o homem permanece sempre o homem”. Marx esqueceu “que a liberdade permanece sempre liberdade, inclusive para o mal. Pensava que, uma vez colocada em ordem a economia, tudo se arranjaria. O seu verdadeiro erro é o materialismo: de fato, o homem não é só o produto de condições econômicas nem se pode curá-lo apenas do exterior criando condições econômicas favoráveis.”


Acho que há formas mais convincentes de explicar o fracasso do sistema soviético, ou os horrores de Robespierre, por um excesso de confiança na razão e na liberdade... Se foram terríveis os crimes cometidos nesses períodos, eles o foram exatamente porque atentaram contra a razão e a liberdade humanas. E todo historiador sabe perfeitamente que, na Rússia de 1917, as condições econômicas eram tudo, menos “favoráveis” ao projeto que se queria implantar.


Por outro lado, como fica a “esperança” quando alguém afirma que o “homem permanece sempre o homem”? Ao contrário, vejo que, em condições materiais favoráveis, não é que todo mundo se torne santo –mas as possibilidades de se transformar num genocida ao estilo de Darfur tendem a diminuir. Em determinada sociedade, a maioria da população se entrega a festins de violência, racismo e intolerância. Em outra sociedade, o número de psicopatas decresce a uma minoria estatística. O materialismo, embora não explique tudo, ajuda muito.


Quanto à razão, Ratzinger admite que seja um grande dom de Deus à humanidade. Mas, pergunta, “a razão inteira reduz-se à razão do poder e do fazer?” Certamente, não. Mas o argumento de Ratzinger leva a identificar o domínio da razão com o domínio da ciência. Ninguém ignora que a ciência, sozinha, pode ter efeitos tão benéficos quanto devastadores. Cria remédios e bombas atômicas. Por isso mesmo, podemos falar em usos “racionais” e “irracionais” da tecnologia. Não é preciso abandonar o conceito de razão quando se quer criticar, por exemplo, o uso de armas químicas... Mas, para Ratzinger, armas químicas seriam um exemplo de um excessivo domínio da razão... Claro que, com esse estratagema, só a Fé se apresenta como remédio para nossos males.


“Não é a ciência que redime o homem”, prossegue o papa. “O homem é redimido pelo amor.” Mas não é preciso, a meu ver, jogar com uma alternativa tão radical e desbalanceada. Que tal se disséssemos: “Não é a ciência que redime o homem; o homem é redimido pela razão”? Não sei de horrores na história humana que não tiveram a razão entre suas primeiras vítimas. Sei de muitos horrores, entretanto, que tiveram a fé do seu lado. Mais respeito, por favor, com a razão –essa velha senhora é acusada de crimes que não cometeu.

Pleonasmos

quarta-feira, janeiro 09, 2008

Física = coleção de modelos




Volume: 92 Number: 4 Page: 306





Undisciplined Science




"All science is either physics or stamp collecting" said Lord Rutherford, who was not a stamp collector. The remark did nothing to win friends for physics among practitioners of other sciences. But Rutherford got his come-uppance: When he was summoned to Stockholm in 1908, the prize awaiting him there was not in physics but in chemistry.A century later, surveying the state of physics and its relations with other fields, I am tempted to give Rutherford's quip an even more inflammatory reading, though he never intended it. "All science is physics" might be taken as a territorial claim, annexing other disciplines as provinces to be ruled by the laws of physics and administered by physicists. This imperial vision of the destiny of physics is not entirely without a basis in history, or at least etymology. At one time, the term physics had a very broad meaning, roughly synonymous with natural science. The 18th-century Encyclopédia of Diderot and d'Alembert listed under the rubric physique particuliere everything from astronomy and cosmology to meteorology, mineralogy, chemistry, zoology and botany (but not stamp collecting). click for full image and caption

Browsing through recent issues of Physical Review E (a section of the main journal published by the American Physical Society), one could form an equally expansive view of the scope of 21st-century physics. Within the past year, the Phys Rev E table of contents has included titles such as "Outbreaks of Hantavirus induced by seasonality," "Large-scale structural organization of social networks," "Topology of the world trade web," "Generating neural circuits that implement probabilistic reasoning" and "Number fluctuation and the fundamental theorem of arithmetic." Evidently, the boundaries of physics are elastic enough to take in aspects of viral epidemiology, sociology, market economics, cognitive neuroscience and number theory. Are all of those fields now absorbed into the empire of physics?
(...)

The Higher Stamp Collecting

Setting aside all questions of institutional context, much of the recent cross-disciplinary work—the sociophysics as well as the bioinformatics—is fascinating and fun. Personally, when I scan Phys Rev E, it is the "unconventional" articles, the ones that transgress disciplinary boundaries, that I am likely to read first. If institutional constraints discourage such coloring outside the lines, perhaps the institutions need to be reformed.

Do we need disciplines at all? The idea of organizing universities along topical or departmental lines is not one of those long-hallowed principles without which civilization would crumble. American universities in particular resisted faculty specialization until the middle of the 19th century. Specialist journals and societies came along even later. For example, Physical Review and the American Physical Society are not much more than a century old. (Publications for stamp collectors go back further.) Realistically, though, it is probably too late to bring back professors without portfolio.

What may still be possible is to shake up the Tree of Knowledge. As an armature for classifying ideas, a tree is a rigid structure. Its definitive feature is that branches diverge but never rejoin, so that every node can have but one parent. The proliferation of portmanteau disciplines—astrophysics, biochemistry and so on—suggests that this single-parent principle is under strain. Perhaps we should replace the tree with a matrix: Given n "prime" sciences labeling the columns and rows, we'd have cubby-holes for n 2 combinations. On a campus built to reflect this architecture, you could always find your department by locating the intersection of the appropriate streets. ("Meet me at the corner of Bio and Soc.")

It's no surprise that computation is a conspicuous element in many of the recent disciplinary upsets. The computer has altered the scientist's way of life even in routine affairs (controlling experiments, communicating with colleagues, writing papers). In fields like statistical mechanics the influence is deeper. Where the aim is to understand the collective behavior of vast numbers of interacting entities, computation offers a more direct mode of investigation than has ever been possible in the past. Occasionally the role of computing gets explicit acknowledgment, as in the subdiscipline called computational chemistry. But if all science becomes computational, there's no point in mentioning it. Like mathematics, computation becomes everyone's silent partner.

Computation has even rehabilitated some of Rutherford's stamp-collecting disciplines. Those who compile lists and catalogs, who survey and classify, find their work newly glamorized in the age of data mining. The human-genome project has much to do with this change in attitude. Craig Venter, one of the principals of that project, has now begun another giant list, sailing the Sargasso Sea to create a catalog of all the organisms living there. Astronomy has its own megacatalog: the Sloan Digital Sky Survey will list 100 million objects. What has made such undertakings newly fashionable is the possibility of doing more with the data once the gigabytes have been gathered up. In a sense, the database itself becomes an object of study, in much the same way that physicists study lattices rather than what the lattices model. Rutherford might still insist that all science is either physics or stamp collecting, but maybe he would confess some interest in the physics of stamp collecting.


Bibliography
Ball, Philip. 2003. Utopia theory. Physics World 17(4):29–33.
Bliss, Henry Evelyn. 1929. The Organization of Knowledge and the System of the Sciences. New York: Henry Holt.
Farach-Colton, Martin, Fred S. Roberts, Martin Vingron and Michael Waterman (eds.). 1999. Mathematical Support for Molecular Biology. Providence, R.I.: American Mathematical Society.
Galam, Serge. 2004. Sociophysics: a personal testimony. Physica A 336:49–55.
Herrmann, Dieter B. 1984. The History of Astronomy from Herschel to Hertzsprung. Translated and revised by Kevin Krisciunas. Cambridge: Cambridge University Press.
Majorana, Ettore. 1942. Il valore delle leggi statistiche nella fisica e nelle scienze sociali. Scientia 71:58–66.
Oleson, Alexandra, and John Voss (eds.). 1979. The Organization of Knowledge in Modern America, 1860?1920. Baltimore: Johns Hopkins University Press.
Pabjan, Barbara. 2004. The use of models in sociology. Physica A 336:146–152.
Schelling, Thomas C. 1971. Dynamic models of segregation. Journal of Mathematical Sociology 1:143–186.
Stauffer, Dietrich. 2004. Introduction to statistical physics outside physics. Physica A 336:1–5 (Proceedings of the XVIII Max Born Symposium Statistical Physics Outside Physics, Ladek Zdroj, Poland, 22–25 September 2003).

Classe Média

terça-feira, janeiro 08, 2008

O meu dia-a-dia?


O tema da Roda de Ciência deste mês é sobre o "dia a dia do cientista". Embora no final do mês eu vá prestar um concurso aqui na USP, acho que tenho algum tempo para refletir sobre esse tal dia a dia no qual já vivo (meu Deus, tô ficando velho!) há mais de 20 anos.

OK, na verdade não tenho tanto tempo para refletir assim: além de estar estudando e preparando os pontos para o concurso, estou escrevendo um paper com o Mauro Copelli e o Leonardo Lyra Gollo sobre dendritos excitáveis, outro com o Roque, Rosa, Pedro e Adriano sobre modelos de evolução cultural (na verdade, sobre evolução da culinária), e ainda outro com o Pablo Diniz e o Alexandre Martinez sobre redes de citações bibliográficas. Sem falar na orientação de iniciação científica do Zeddy (trabalho para o Prêmio Jovem Cientista) , do Leonardo Soares (estudo de uma métrica de rede para definir sinonímia) e do Rodrigo (modelo de evolução de memes tipo branching process).

Ainda bem que consegui validar no Júpiter-USP, ontem, as notas da turma de Física I e de Estatística Básica. Hummmm.... Não falei sobre o fato de que preciso ir passear com as crianças no parquinho, amanhã, ou então levá-los para Araraquara no final de semana. OK, OK, já deu pra ter uma idéia sobre o meu dia a dia...

Vamos continuar. Mas primeiro, um pouquinho de arrogância: para definir o "dia a dia do cientista", acho melhor definir o que é um cientista. E aqui vai a opinão de pessoas que respeito: "cientista é um artesão que trabalha com idéias e conceitos".

Se forem idéias matemáticas ou lógico-formais, temos matemáticos, lógicos, teóricos da computação. Se forem idéias sobre a natureza e/ou o ser humano, temos os cientistas naturais e/ou humanos (notaram o "e" que inclui o pessoal da sociophysics como eu, por exemplo?).

Se tais artesãos trabalham com as mãos, temos os cientistas experimentais. Se trabalham com simulações computacionais, temos os cientistas computacionais. Se usam apenas lápis, papel e lata do lixo, temos os teóricos (ok, eles usam computadores também!). Se não precisam de latas de lixo, temos os filósofos... Ops, a piada não é minha, e eu não concordo com ela!

Cadê a arrogância da definição de cientista? Bom, acho que você pode chegar para mim e dizer: Olha, eu conheço um monte de cientistas que não são tais artesãos (manuais ou intelectuais). Isso é uma visão idealizada da ciência, etc e tal. Você não viu o último livro de sociologia da ciência do Bruno Latour?

Meu filho, você não entendeu: quem não se encontra dentro da definição, pode ser um técnico científico, um trabalhador científico, um professor de ciências, um administrador científico, um empreendedor científico. No problem. Apenas não é um cientista... (minha amiga Giulia diz que, enquanto professores-pesquisadores mal remunerados, somos um proletariado cognitivo).

OK, então dado que, enquanto pesquisador não ligado à Big Science, sou um artesão e não um operário no sentido marxista do termo, um artesão que tenta ensinar sua arte a seus (até agora poucos) discípulos, talvez valha a pena contar como se inicia uma vocação como essa. Tive que fazer isso no memorial a ser apresentado para a banca, no concurso que se aproxima. Coloco a seguir a parte inicial, memorialista, do mesmo:


Em que momento começa a se formar a trajetória de um futuro pesquisador? Acredito que em geral isso de dê muito prematuramente, entre 10 e 12 anos. Na fase posterior da adolescência, talvez a maior preocupação do jovem se refira a questões de socialização escolar (ou seja, namorar!). Se isto for verdade, então o reconhecimento de que o gosto pela ciência se desperta cedo deveria ter impacto em políticas educacionais para o reconhecimento da vocação científica.
Devido a esta crença, passo a relatar minha experiência pessoal, alguns acontecimentos precoces que afetaram minha futura trajetória acadêmica e intelectual.
Alguns fatos marcantes balizaram minha vocação para a atividade científica. Talvez o fato mais antigo que me lembre é o clima de novidade e interesse despertado em todos os meninos da minha idade pela descida da Apolo 11 na Lua em 1969, cuja divulgação televisiva assisti aos seis anos e meio de idade.
Em seguida, em 1970, o aparecimento do cometa Bennett causou-me bastante impressão e interesse por temas de Astronomia. Acredito que meu pai compartilhava de interesses científicos, pois me lembro que começamos a colecionar os fascículos Os Cientistas, da Editora Abril
[1], que foram publicados a partir de maio de 1972. É interessante registrar que, em conversas com outros colegas de minha geração, os mesmos também reconheceram a forte influência dessa coleção em sua futura vocação profissional.
Em 1976 registrou-se o aparecimento do cometa West, o mais espetacular cometa da década. Como eu apresentava grande interesse por astronomia, já possuindo uma pequena biblioteca sobre o assunto, meu pai decidiu comprar-me um telescópio refrator (aumento máximo de 120 x). A partir desta data meu principal passatempo foi realizar observações astronômicas, algumas delas sistemáticas, como registros de manchas solares e posição dos satélites Jovianos.
Mais um fator na minha formação foram as intensas leituras durante a adolescência, em particular de livros de ficção científica e livros de divulgação científica, mas também obras literárias e enciclopédias. Embora nem todo cientista goste de ficção científica, tenho verificado que os leitores de ficção científica mostram grande interesse pela ciência em geral, e tal fato poderia ser usado para promover uma maior atração pela ciência entre crianças e jovens. Como uma curiosidade, observo que Duncan J. Watts revela em seu livro Six Degrees que a novela The Naked Sun, de Isaac Asimov, inspirou diretamente sua pesquisa em parceria com S. H. Strogatz e que resultou no modelo de rede de mundo pequeno, modelo este que inaugurou uma nova fase na pesquisa de redes complexas e que é uma de minhas linhas de pesquisa atuais.
Outro fator que acredito ser relevante em minha formação, por ter uma ligação direta com minha pesquisa atual, foi o treinamento intelectual que tive ao inventar jogos de tabuleiro para meus irmãos. Foram dezenas deles, inventados dos 13 aos 18 anos, e que me deram uma aguda noção da necessidade de um balanço equilibrado entre chance, determinismo e minimização do conjunto de regras para se obter jogos interessantes.
Esclareço melhor: durante esta fase aprendi que jogos que usam apenas probabilidades (como corridas geridas por sorteio de dados) são triviais e logo perdem o interesse. Do mesmo modo, jogos que envolvem inúmeras regras para determinar cada evento se tornam arbitrários e complicados demais. Acredito que já nessa época tive uma visão clara de que os jogos mais interessantes se situam numa espécie de balanço crítico entre tais fatores: devemos minimizar o número de regras e maximizar o número de histórias (trajetórias) diferentes que o jogo pode apresentar.
Acredito que esta noção é similar àquela que motiva muitos físicos estatísticos (inclusive eu) a estudar modelos simples que possuem riqueza em termos de comportamento dinâmico. De certa forma, modelos físicos podem ser pensados como jogos sem jogadores, jogos que seguem regras probabilistas ou deterministas de forma automática e que tentam simular fenômenos da Natureza.
[Eu acrescentaria aqui que tentar determinar o conjunto de regras do Xadrez assistindo campeonatos ("observação") ou jogando contra grandes mestres (talvez o Deep Blue) ("experimentação") é uma ótima analogia para descrever o processo científico.]

[1] Retiramos as seguintes informações do texto “A trajetória da Editora Abril – 1968 - 1982”, de Matheus H. F. Pereira, Em questão, 11: 239-258 (2005), Porto Alegre.
Através da existência de um documento privado sobre uma coleção – Os cientistas: a grande aventura da descoberta científica – consegue-se perceber a dinâmica da editora e da produção em fascículos. Essa fonte visava à comercialização da obra no exterior e contém detalhes sobre a produção editorial (The scientists, 1972). Afirma-se que cada número de Os cientistas era formado por três partes, a saber: fascículo, kit e manual de instruções. A coleção completa era constituída por 50 fascículos e cada um era colocado nas bancas a cada 15 dias, desde 30 de maio de 1972. O primeiro número sobre Isaac Newton continha um kit com experiências sobre as leis do movimento. Os fascículos, depois de removida a capa, poderiam ser encadernados para formar uma coleção de três volumes, que seria comercializada nesse formato também.
Os fascículos eram constituídos de 16 páginas internas mais quatro capas, totalizando 20 páginas impressas, em quatro cores. A terceira e a quarta capa possuíam uma aba adicional, para que o fascículo embalasse o kit. Cada fascículo tinha aproximadamente 24 ilustrações, a maioria em cores, cobrindo quase 45% da área impressa. A pesquisa iconográfica teria sido feita em vários países e aproximadamente 40% do material nunca teria sido publicado. A coleção completa tinha mais de 1.200 ilustrações. Os textos de Os cientistas foram escritos sob supervisão de professores ligados à USP.

segunda-feira, janeiro 07, 2008

Amebas Inteligentes




Amoebae Anticipate Periodic Events


Tetsu Saigusa
Graduate School of Engineering, Hokkaido University, N13 W8, Sapporo 060-8628, Japan
Atsushi Tero and Toshiyuki Nakagaki
Research Institute for Electronic Science, Hokkaido University, Sapporo, 060-0812, Japan
Yoshiki Kuramoto
Department of Nonlinear Science, ATR Wave Engineering Laboratories, 2-2-2 Hikaridai, Seika-Cho, Soraku-gun, Kyoto 619-0288, Japan


(Received 2 July 2007; published 3 January 2008)



When plasmodia of the true slime mold Physarum were exposed to unfavorable conditions presented as three consecutive pulses at constant intervals, they reduced their locomotive speed in response to each episode. When the plasmodia were subsequently subjected to favorable conditions, they spontaneously reduced their locomotive speed at the time when the next unfavorable episode would have occurred. This implied the anticipation of impending environmental change. We explored the mechanisms underlying these types of behavior from a dynamical systems perspective.
©2008 The American Physical Society
URL: http://link.aps.org/abstract/PRL/v100/e018101
doi:10.1103/PhysRevLett.100.018101
PACS: 87.17.Aa, 87.18.Hf, 87.23.Kg
Additional Information
Full Text: PDF GZipped PS

A ser lido: The status of cosmological natural selection


Authors: Lee Smolin

Abstract: The problem of making predictions from theories that have landscapes of possible low energy parameters is reviewed. Conditions for such a theory to yield falsifiable predictions for doable experiments are given. It is shown that the hypothesis of cosmological natural selection satisfies these conditions, thus showing that it is possible to continue to do physics on a landscape without invoking the anthropic principle. In particular, this is true whether or not the ensemble of universes generated by black holes bouncing is a sub-ensemble of a larger ensemble that might be generated by a random process such as eternal inflation.
A recent criticism of cosmological natural selection made by Vilenkin in hep-th/0610051 is discussed. It is shown to rely on assumptions about both the infrared and ultraviolet behavior of quantum gravity that are very unlikely to be true.
Comments: 25 pages, no figures
Subjects: High Energy Physics - Theory (hep-th)
Cite as: arXiv:hep-th/0612185v1

Atualizando - Café com Letras



No final da década de 80 colaborei com o Café com Letras, sebo-café em São Carlos-SP. Fátima e Patinha promoviam shows de jazz, mostras de arte etc. Tudo isto muito antes do Café com Letras de BH, que nasce em 1996 (será que fundado por algum estudante que morou em São Carlos?).



Andreza e Osame criaram nestas férias o primeiro sebo-virtual-locadora-delivery de Ribeirão Preto, o Café com Letras (acho que anos atrás Patinha me autorizou a usar o nome...). Quem sabe um dia teremos um ponto real em vez de virtual, com café e capuccinos de verdade...



O endereço? www.coffeecomletras.blogspot.com (cuidado, tem dois ffs e dois ees!). Passe por lá, ainda estamos colocando nossas ofertas e nossa lista de livros a serem locados (R$ 20 por quatro volumes, a serem trocados a qualquer hora, sai muito barato!!!).


Sugira nos comentários livros ou DVDs que vc gostaria que o Café com Letras adquirisse (estamos nos especializando em séries de TV, não deixe de votar na enquete).



Se você quiser consignar livros conosco, mande-nos um e-mail com título, autor e seu preço, que anunciamos no site (nossa taxa é de 30% para pessoas físicas e 10% para livrarias).

quinta-feira, janeiro 03, 2008

Pesquisa diz que macacos também pagam por sexo







Costuma-se dizer que a prostituição é a profissão mais antiga da história. Um novo estudo sugere que ela pode ter raízes ainda mais antigas. Pesquisadores de Cingapura descobriram que macacos usam uma espécie de afago como "moeda" para comprar uma parceira.



Ao observar 50 primatas durante 20 meses, Michael Gumert, da Universidade Tecnológica de Nanyang, descobriu que, em média, as fêmeas faziam sexo 1,5 vezes por hora. No entanto, esse índice subia para 3,5 vezes por hora depois de terem sido acariciadas por um macho.



Segundo o estudo, a mão invisível do "mercado" também agia no valor da transação. Se houvesse muitas fêmeas na área, o custo do sexo caía automaticamente - um macho podia comprar uma fêmea com apenas oito minutos grooming, expressão em inglês dada às carícias. No entanto, se não houvesse muitas fêmas no local, o tempo subia para 16 minutos.



A pesquisa sustenta a hipótese que a mão invisível do mercado biológico pode explicar o comportamento social. "Há uma bem conhecida mistura entre a capacidade econômica e a probabilidade de ter relações sexuais", disse Ronald Noe, da Universidade de Strasbourg, na França, à AFP.




quarta-feira, janeiro 02, 2008

Beowulf

Aprendendo aqui a pegar códigos HTML (Beowulf):

Mulheres que deixam religião têm mais risco de alcoolismo, diz pesquisa



01/01/2008 - 14h34

da BBC Brasil, via Folha Online:

Mulheres que abandonam suas atividades religiosas têm três vezes mais chances de sofrer de ansiedade, depressão e alcoolismo, segundo um estudo conduzido por pesquisadores norte-americanos.

Os especialistas, da Universidade de Temple, na Filadélfia, analisaram 718 adultos e concluíram que entre as mulheres que haviam deixado de freqüentar a igreja, 21% apresentaram sintomas de ansiedade, depressão e problemas relacionados ao excesso de bebidas alcoólicas.

O mesmo, no entanto, não foi observado entre os homens. O trabalho, publicado na revista especializada "Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology", apontou que os homens que deixaram de praticar sua fé tinham menos chances de sofrer de depressão do que os que compareciam à igreja regularmente.

Para a coordenadora do estudo, Joanna Maselko, as mulheres sofrem mais ao se afastarem da religião porque também têm mais chances de perder amigos e se afastar da "rede social da igreja".

"As mulheres são normalmente mais integradas às redes sociais de suas comunidades religiosas. Quando deixam de ir à igreja, perdem o acesso a esta rede e todos seus benefícios potenciais", observa Maselko.

Já os homens, afirma Maselko, "não parecem ser tão integrados à comunidade religiosa, portanto não sofrem com as possíveis conseqüências se abandonam a igreja".

Para a coordenadora do trabalho, é possível "ter um melhor entendimento da relação entre saúde e espiritualidade quando conhece a história religiosa de uma pessoa".


Mais algumas pesquisas para as minhas turmas de Estatística:

Tequila diminui risco de câncer, dizem cientistas mexicanos