Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, outubro 31, 2007

Natalie Hershlag


Nelson me disse que ando colocando muita foto de mulher bonita aqui no SEMCIÊNCIA. Bom, mas o nome do blog diz exatamente que o mesmo não é muito sério. Em todo caso, para recuperar sua seriedade científica, anoto abaixo dois papers de Natalie Harshleg, vulgo Natalie Portman.


Da Wikipedia:


Portman has said that she was "used to A's" but admits to reading about institutional grade inflation in the Ivy Leagues in the New York Times. She reported on a talk show, "I'd rather be smart than be a movie star" and that her goal was to graduate from college even if it ruined her acting career.


After high school, Portman enrolled at Harvard University where she graduated with a bachelor's degree in psychology on June 5, 2003. In 2005, Portman pursued graduate studies at Hebrew University in Jerusalem. Portman is credited as a research assistant to Harvard Professor Alan Dershowitz's The Case for Israel. She was a research assistant to Dr. Stephen M. Kosslyn's psychology lab as well, and made a cameo appearance as a guest lecturer for the Terrorism and Counterterrorism course at Columbia University in early March of 2006, discussing themes from her film V for Vendetta.[8]


In addition to Hebrew[9] and English, Portman has studied or can speak French,[10] Japanese,[10] and German.[11] She has recently been learning to speak Arabic.[12] She also understands Spanish.[13]


As a student, Portman co-authored two research papers which were published in professional scientific journals. Her 1998 high school paper on the "Enzymatic Production of Hydrogen" was entered in the Intel Science Talent Search.[14] In 2002, she contributed to a study on memory called "Frontal Lobe Activation During Object Permanence" during her psychology studies at Harvard.[15]





  • Going to a party, for me, is as much a learning experience as, you know, sitting in a lecture.


  • I don't love studying. I hate studying. I like learning. Learning is beautiful.


  • There's so much else to do in the world. To just be interested in doing films would limit my life.

Title: Frontal lobe activation during object permanence: Data from near-infrared spectroscopy



Author(s): Baird AA, Kagan J, Gaudette T, Walz KA, Hershlag N, Boas DA
Source: NEUROIMAGE 16 (4): 1120-1126 AUG 2002
Document Type: Article
Language: English
Cited References: 24 Times Cited: 23
Abstract: The ability to create and hold a mental schema of an object is one of the milestones in cognitive development. Developmental scientists have named the behavioral manifestation of this competence object permanence. Convergent evidence indicates that frontal lobe maturation plays a critical role in the display of object permanence, but methodological and ethical constrains have made it difficult to collect neurophysiological evidence from awake, behaving infants. Near-infrared spectroscopy provides a noninvasive assessment of changes in oxy- and deoxyhemoglobin and total hemoglobin concentration within a prescribed region. The evidence described in this report reveals that the emergence of object permanence is related to an increase in hemoglobin concentration in frontal cortex.


A Simple Method To Demonstrate the Enzymatic Production of Hydrogen from Sugar


Natalie Hershlag Syosset High School, Syosset, NY 11791
Ian Hurley Department of Obstetrics and Gynecology, North Shore University Hospital, Manhasset, NY 11030
Jonathan Woodward Chemical Technology Division, Oak Ridge National Laboratory, Oak Ridge, TN 37831-6194
October 1998 Vol. 75 No. 10p. 1270

Full Text (PDF)


Abstract
There is current interest in and concern for the development of environmentally friendly bioprocesses whereby biomass and the biodegradable content of municipal wastes can be converted to useful forms of energy. For example, cellulose, a glucose polymer that is the principal component of biomass and paper waste, can be enzymatically degraded to glucose, which can subsequently be converted by fermentation or further enzymatic reaction to fuels such as ethanol or hydrogen. These products represent alternative energy sources to fossil fuels such as oil. Demonstration of the relevant reactions in high-school and undergraduate college laboratories would have value not only in illustrating environmentally friendly biotechnology for the utilization of renewable energy sources, such as cellulosic wastes, but could also be used to teach the principles of enzyme-catalyzed reactions. In the experimental protocol described here, it has been demonstrated that the common sugar glucose can be used to produce hydrogen using two enzymes, glucose dehydrogenase and hydrogenase. No sophisticated or expensive hydrogen detection equipment is required-only a redox dye, benzyl viologen, which turns purple when it is reduced. The color can be detected by a simple colorimeter. Furthermore, it is shown that the renewable resource cellulose, in its soluble derivative from carboxymethylcellulose, as well as aspen-wood waste, is also a source of hydrogen if the enzyme cellulase is included in the reaction mixture.


terça-feira, outubro 30, 2007

Site revela quem são os mais "CDFs" do cinema


da Ansa, em Roma


Juntar as estrelas do cinema com um passado de méritos acadêmicos e montar um elenco completo só com estrelas que se destacam também na ciência. Essa é a proposta do site norte-americano Computerworld, que cita nomes como Alfred Hitchcock e Mister Bean.
Daniel Ochoa de Olza/AP

Os diretores do filme hipotético poderiam ser, além do mestre do suspense, formado em engenharia mecânica, o físico Terry Gilliam, estrela de "Monty Python".
Os atores seriam Rowan Atkinson, consagrado como Mr. Bean, formado em engenharia elétrica no Queen's College de Londres; John Astin, o pai da família Adams na série original, que agora tirou o bigode e ensina matemática na Johns Hopkins University de Baltimore ou o sueco Dolph Lundgren, de "Rocky 4", que antes de se dedicar aos filmes de ação se formou em química pelo MIT.
O mais jovem seria Masi Oka, um dos protagonistas da série "Heroes", com dois diplomas: matemática e informática.
Entre as atrizes estariam a bióloga Lisa Kudrow, protagonista de "Friends" e a psicóloga Natalie Portman, de "Closer", que já publicou dois artigos em revistas científicas. Hedy Lamarr, famosa nos anos 50 por "Sansão e Dalila", merecia lugar de destaque por suas contribuições no desenvolvimento da tecnologia de microondas fundamentais para a telefonia celular.
Para compor uma trilha sonora de jazz, o grande nome seria engenheiro Herbie Hancock. O momento rock do longa-metragem ficaria a cargo de Trent Reznor, cantor do grupo Nine Inch Nails, graduado em informática na prestigiosa universidade norte-americana de Cornell.

segunda-feira, outubro 29, 2007

Deus e o Diabo na Terra da Estatística


Antônio Carlos Roque da Silva Filho, 2007



No princípio era o Caos
Deus não estava contente
Ele então pensou na forma de sino
E viu que ela era boa

Deus fez então o Quincunx Divino
E dele tirou as proporções de todos os seres e coisas
A uns fez grandes, a outros pequenos, a uns poderosos, a outros fracos
Mas a maioria no meio

Veio então o demônio
E achou tudo aquilo uma chatice
Porque um meio, uma escala natural?
E fez, em número ainda maior, coisas sem escala

Olhando para aquilo
Deus não ficou satisfeito (anteviu muitas catástrofes
[1])
Mas achou melhor não intervir
Foi tratar de outros assuntos





[1] Fortes terremotos, violentos maremotos, pessoas exageradamente ricas, cidades gigantescas, etc.

Bairro apresenta contaminação por chumbo elevada em Ribeirão Preto


Agência USP


Pesquisa da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP) da USP comparou o índice de contaminação por chumbo no esmalte dos dentes de 247 alunos de sete Escolas Municipais de Educação Infantil com o de 26 crianças que vivem no entorno de uma fábrica de baterias em Bauru, todas com idade entre 4 e 6 anos. Os resultados do estudo mostram que o nível de contaminação em Bauru, mais elevado, se repete em 12% das crianças de Ribeirão Preto, principalmente no bairro Campos Elíseos.


O chumbo é um dos poluentes ambientais mais perigosos para a saúde humana, em especial às crianças, cujos órgãos e sistemas ainda estão em desenvolvimento. A pesquisa deu origem ao artigo Lead contents in the surface enamel of deciduous teeth sampled in vivo from children in uncontaminated and in lead contaminated areas, escolhido para receber o prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS em 2007. A autora do trabalho é a dentista Glauce Regina Costa de Almeida. Ela realizou testes de contaminação no esmalte dos dentes de leite das crianças para sua dissertação de mestrado, orientada pela professora Raquel Gerlach, da FORP. Em Bauru, a média de contaminação foi de 785 microgramas de chumbo por grama de esmalte, enquanto em Ribeirão Preto essa média ficou em 200 microgramas.


Nos Campos Elíseos, porém, 35% das crianças tiveram valores comparáveis aos da média de chumbo encontrada na área contaminada de Bauru. No bairro já funcionaram duas fábricas de baterias e há uma fábrica de galvanização de ferro. Os encanamentos das construções são muito antigos e têm soldas de chumbo e podem comprometer a rede de abastecimento de água. Além disso, há muitos depósitos de ferro velho, locais onde as baterias são abertas. Esses locais reconhecidamente apresentam concentrações altas de chumbo no ar e na poeira, que se acumula no solo.


Continue a ler aqui.

domingo, outubro 28, 2007

Sex and the Nature


Sexual reproduction from the male (men) point of view
Authors: D. Stauffer, S. Cebrat
(Submitted on 22 Oct 2007)
Abstract: To counterbalance the views presented here by Suzana Moss de Oliveira, we explain here the truth: How men are oppressed by Mother Nature, who may have made an error inventing us, and by living women, who could get rid of most of us. Why do women live longer than us? Why is the Y chromosome for men so small? What are the dangers of marital fidelity? In an appendix we mention the demographic challenges of the future with many old and few young people.
Comments: 20 pages with many figures, draft for Windwer Summer School proceedings
Subjects: Populations and Evolution (q-bio.PE)
Cite as: arXiv:0710.3988v1 [q-bio.PE]

quinta-feira, outubro 25, 2007

Classe A é maior consumidora de drogas, revela FGV



Agencia Estado - 23/10/2007 19:07

Um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que jovens da classe A são os maiores consumidores de drogas do País. O economista Marcelo Néri batizou o estudo divulgado hoje de "Droga de Elite", em referência ao filme "Tropa de Elite", de José Padilha. "O retrato é muito semelhante daquele traçado no filme. Quem consome drogas é o garoto de elite, são jovens homens brancos solteiros de alta renda que vivem nas capitais do Sudeste e freqüentam uma instituição privada de ensino: 62% da classe A, com cartão de crédito", disse.


O estudo mostra ainda que apenas 0,06% da população do Brasil declarou consumir drogas. Em valores atualizados, a despesa média com drogas das pessoas que declararam ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) consumir maconha, lança-perfume ou cocaína é de R$ 75 por mês. "Nossa política contra o tráfico enfatiza muito a questão da oferta, e pouco a questão do consumidor, como o filme chama a atenção. É preciso ter alguma política sobre isso, seja a liberação do consumo de drogas leves, seja uma repressão. Acho que estamos no pior dos mundos."


Ele interpretou como "efeito colateral da droga" o fato de o estudo ter detectado, entre esses jovens, alto índice (11,8%) de atraso no pagamento de aluguel e de moradia em áreas onde foram relatados problemas com violência na vizinhança (63%). O perfil do consumidor de droga no País foi traçado com base em dados da última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE, de 2003.


Ver uma animação legal sobre como funcionam as drogas no cérebro, aqui.

terça-feira, outubro 23, 2007

Mais uma evidência a favor de Kinouchi e Kinouchi (2005) unpublished


Pois é, a Juliana Dias quer ressucitar o paper, pois tem novas simulações a adicionar.


23/10/2007 - 08h02
Privação do sono realça experiências negativas, diz estudo


Quando uma pessoa não dorme o suficiente, os centros emocionais do cérebro reagem excessivamente às experiências negativas, de acordo com um estudo do Laboratório de Sono e Neuroimagem da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.
A pesquisa, publicada na revista "Current Biology", mostra as provas do vínculo entre a perda ou privação do sono e os transtornos psiquiátricos.
A perda do sono leva a uma conduta emocionalmente irracional, segundo os pesquisadores. Por meio de imagens de ressonância magnética funcionais, eles analisaram o que ocorre nas áreas emocionais do cérebro quando as pessoas não dormem o suficiente para obter um bom descanso.
"O estudo soma elementos para uma lista de benefícios do sono", afirma Matthew Walker, que dirigiu o experimento.
"O sono parece restaurar nossos circuitos emocionais no cérebro, e ao fazê-lo, nos prepara para os desafios do dia seguinte e para as interações sociais", acrescentou. "O mais importante desse estudo é que mostra os perigos de não dormir o suficiente".
Walker afirma também que a privação do sono destrói mecanismos que regulam aspectos-chave da saúde mental.
"O ponto básico é o de que o sono não é um luxo. É uma necessidade biológica e sem ele o indivíduo pode sofrer conseqüências cognitivas e emocionais".
Técnica
Os pesquisadores dividiram, ao acaso, 26 pessoas saudáveis em dois grupos: um que dormiu normalmente, e outro em que os participantes foram mantidos acordados por cerca de 35 horas.
No dia seguinte, imagens dos cérebros dos participantes foram analisadas. As imagens mediam a atividade das diferentes áreas do cérebro com base no fluxo sangüíneo enquanto eles observavam uma centena de imagens.
As imagens utilizadas foram, inicialmente, neutras, de um ponto de vista emocional, mas gradualmente tornaram-se desagradáveis.
Reação
"Havíamos previsto um aumento potencial das reações emocionais do cérebro [nas pessoas privadas de sono], mas a magnitude do aumento nos surpreendeu", comentou o cientista.
Os centros emocionais do cérebro tiveram cerca de 60% mais reações no grupo privado de sono que nos participantes que tinham dormido normalmente.
"É quase como se, com a falta de sono, o cérebro ficasse com uma atividade mais primitiva, com menos capacidade de colocar as experiências emocionais dentro de um contexto e de produzir respostas apropriadas", acrescentou o pesquisador.

sexta-feira, outubro 19, 2007

Memórias armazenadas em pequenas redes de atratores?


Nature Reviews Neuroscience 8, 817 (November 2007) doi:10.1038/nrn2264

Monica Hoyos Flight

Computational neuroscience aims to understand how neural networks integrate the thousands of signals they receive from neighbouring cells, generate output signals and store, retrieve and manipulate information — processes that ultimately result in behaviour and cognition. Computer simulations of theoretical models that are based on data that have been produced experimentally aid the interpretation of complex datasets, the testing of hypotheses and the prediction of experimental outcomes. By using a combination of theoretical analyses and computer simulations, Roudi and Latham have shed new light on the brain's ability to form memories.

Experimental evidence supports 'attractor networks' as a theoretical mechanism of memory formation. In these networks, transient events trigger stable patterns of neuronal activity. These patterns remain active for some time after the events have passed, and so bear meaning to the organism. Although theoretical models of attractor networks have been around for decades, until now they have had difficulty explaining a feature of neuronal activity that is consistently observed experimentally: highly irregular neuronal firing. These models have also been unable to predict how many memories can be stored in a single, realistic network of spiking neurons. By analyzing networks using techniques borrowed from statistical physics, the authors uncovered a regime that guarantees irregular firing of foreground neurons (those that fire at a higher rate during the activation of a memory), and calculated a networks' storage capacity. Their model predicts that neurons fire irregularly if two conditions are satisfied: the number of neurons required to activate the memory is above a certain threshold, and the changes in synaptic strength between these neurons are much smaller than the weights between the background neurons (those that do not fire at a higher rate during the activation of a memory and that generate random and seemingly meaningless 'noise').

In the original models of attractor networks, the number of memories that can be stored in a network — memory capacity — was shown to be proportional to the number of neurons. More refined analyses, based on highly simplified models, indicated that this capacity scales with the number of connections per neuron. Roudi and Latham have now extended these results to realistic models. More importantly, they have shown that the scaling factor is small: even if each neuron makes 10,000 connections, only a few hundred memories can be stored, regardless of the number of neurons in the network. This not only implies that the memory capacity of individual neuronal networks might be smaller than we once thought but, more importantly, it offers some insight into how memory is implemented in neural systems: to store and retrieve large amounts of information, the brain must rely on multiple networks.

These predictions, which were verified using simulations with large networks of spiking neurons, might change the way we think about memory and help to explain the changes in memory capacity that are observed with aging, neurodegeneration and injury. Determining how multiple memory-storing modules are organized and coupled is likely to keep both theoretical and experimental neuroscientists busy for years to come.

References and links
ORIGINAL RESEARCH PAPER
Roudi, Y. and Latham, P. E. A balanced memory network. PloS Comput. Biol. 3, e141 (2007)


Figura: Hippocampus The hippocampus converts short-term memory to long-term memory, processing details from throughout the cortex (i.e., the part associated with sight) then sending it back to where it came from. With enough back-and-forth (as in drills to "memorize" facts), the “memory” can function independently in the regions of the cortex. The hippocampus also accounts for the emotional response to a experience, relying on its temporal lobe neighbor, the amygdala.

quarta-feira, outubro 17, 2007

Casal se divorcia após descobrir que estava junto na vida real e na virtual

Ter, 16 Out, 08h16
Belgrado, 16 out (EFE).- Um casal com problemas conjugais foi buscar refúgio na internet e acabou se apaixonando no mundo virtual, mas esta coincidência não impediu que se separasse na vida real.

Devido aos problemas no casamento, os dois iniciaram contatos pela internet, sem saber de suas identidades, e se apaixonaram após trocar algumas mensagens.
Segundo a edição de hoje do jornal sérvio "Zabavnik", eles não podiam mais se imaginar sem o apoio que davam um ao outro conversando sobre os problemas que sofriam.
Ele começou a chamá-la de "Açúcar", e ela lhe deu o apelido "Príncipe da Satisfação".
Quando a relação se tornou séria, eles decidiram se encontrar, e então cada um descobriu que seu par na internet era aquele com quem brigava todos os dias, e que, na prática, não se dirigia a ele com apelidos carinhosos.
O casal decidiu se separar, ao alegar traição.
O jornal assegura que se trata de um casal da cidade de Zenica, no centro da Bósnia-Herzegovina, e propõe aos psicólogos explicar como um marido e uma mulher que não se entendem na vida real podem se apaixonar na virtual.

Um paper interessante do Stanley e colaboradores

Enquanto espero aqui em Congonhas meu vôo para Floripa, registro aqui um paper interessante.


Influence of corruption on economic growth rate and foreign investments
Authors: Boris Podobnik, Jia Shao, Djuro Njavro, Plamen Ch. Ivanov, H. Eugene Stanley
(Submitted on 10 Oct 2007)

Abstract: In order to investigate whether government regulations against corruption can affect the economic growth of a country, we analyze the dependence between Gross Domestic Product (GDP) per capita growth rates and changes in the Corruption Perceptions Index (CPI). For the period 1999-2004 on average for all countries in the world, we find that an increase of CPI by one unit leads to an increase of the annual GDP per capita by 1.7 %. By regressing only European transition countries, we find that $\Delta$CPI = 1 generates increase of the annual GDP per capita by 2.4 %. We also analyze the relation between foreign direct investments received by different countries and CPI, and we find a statistically significant power-law functional dependence between foreign direct investment per capita and the country corruption level measured by the CPI. We introduce a new measure to quantify the relative corruption between countries based on their respective wealth as measured by GDP per capita.

terça-feira, outubro 16, 2007

Boatos


CHICAGO, EUA (AFP) - O boato seria mais poderoso que os fatos comprovados para determinar a opinião que as pessoas têm de outras, revela um estudo divulgado pela revista Proceedings of the National Academy of Sciencies (PNAS).

No início do estudo, os pesquisadores alemães analisaram a maneira pela qual os rumores sobre uma pessoa influenciam no comportamento de terceiros com relação a ela.
Para tanto, analisaram o comportamento de 126 estudantes que jogavam videogame em duplas ou com adversários anônimos.
Cada um deles recebeu um envelope com 10 euros para distribuir a seus parceiros em determinadas partes do jogo.
Enquanto durava o jogo, eles escreviam bilhetes a respeito do comportamento dos jogadores dos turnos anteriores, em particular sobre sua generosidade.
Os jogadores que leram coisas positivas sobre seus parceiros os recompensaram financeiramente, o que sugere que o boato teve um forte impacto nas suas decisões.
Mas os pesquisadores também deram aos participantes uma lista das ações reais de seus participantes durante as primeiras etapas do jogo. Muitas vezes, os rumores contradiziam os fatos.
Surpreendentemente, nestes casos as decisões dos estudantes pareciam se basear nos boatos mais do que nos fatos comprovados.
"As pessoas se vêem indevidamente influenciadas pelo rumor, inclusive se ele contradiz o que viram", explicou Ralf Sommerfeld, pesquisador do Instituto Max-Planck na Alemanha.
Segundo ele, o boato é percebido como confiável porque, ao longo do tempo, se tornou em um instrumento útil para reunir informação.


Um site interessante com update diario sobre boatos (span) na net. Confira!

segunda-feira, outubro 15, 2007

Será que nasci pra ser professor?


OK, OK, sim, estou ficando mais velho hoje (45 anos). Mais 10 de vida útil, imagino...

Curiosidade:


Dia do Professor. Historicamente, esta data foi escolhida por assinalar o decreto com que D. Pedro I, em 1827, criou escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império.

Antenas nos EUA buscarão sinais de extraterrestres


da Efe, em Washington


O co-fundador da Microsoft, Paul Allen, inaugurará hoje no norte da Califórnia as primeiras 42 antenas de um conjunto de 350 que se somarão à busca de sinais de inteligência no Universo.
O sistema, conhecido oficialmente como Allen Telescope Array (ATA), fica no Observatório Hat Creek, a cerca de 465 quilômetros a nordeste de San Francisco, e será voltado também para as observações astronômicas.
O ATA é um projeto conjunto da Universidade da Califórnia e do Instituto de Procura de Inteligência Extraterrestre, e consiste essencialmente de um gigantesco receptor de sinais de rádio. No curso das próximas duas décadas o ATA aumentará mil vezes o número de sistemas estelares examinados na busca de emissões de sinais artificiais.
A busca de sinais de rádio no espaço distante depende, principalmente, da área de coleta desses sinais, isto é a superfície de seu "espelho". Uma forma de aumentar essa área é a construção de uma antena maior ou a construção de várias menores e interconectadas.
Um exemplo de um "espelho" com antenas múltiplas é o conjunto de rádio telescópio montado no Novo México, e que é formado por 27 antenas.
Os avanços tecnológicos permitem a construção de antenas com receptores de alta qualidade a um custo muito mais baixo, e por isso se tornou econômico a criação de uma rede com um grande número de antenas. Os pratos individuais das antenas no ATA têm um diâmetro de seis metros cada um e foram se multiplicando durante quatro anos nos prédios do nordeste da Califórnia.
As 42 antenas que Allen inaugura hoje equivalem, em área de coleta de sinais, a uma antena de 40 metros de diâmetro.

Foto: Judie Foster em Contato.

domingo, outubro 14, 2007

Michele em Stardust


Baseada na graphic novel de Neil Gaiman (autor de Sandman), esta fantasia dos estúdios Paramount começará a ser filmada em abril em locações no Reino Unido e na Islândia, com estréia prevista para 2007. O roteiro foi escrito pelo diretor Matthew Vaughn (Nem Tudo É O Que Parece) em parceira com a escritora Jane Goldman. Trata-se da saga de um jovem rapaz que, ao prometer trazer para sua amada uma estrela cadente, envolve-se em muitas aventuras, já que para cumprir o que disse, precisa atravessar um reino mágico cheio de criaturas estranhas, como bruxas, duendes, animais falantes e árvores do mal. Trata-se do primeiro projeto em conjunto dos astros de Hollywood Robert De Niro e Michelle Pfeiffer.

quinta-feira, outubro 11, 2007

Coração Partido



Coração partido mata, diz estudo
Segundo cientistas, relacionamentos ruins elevam em 34% as chances de ataque cardíaco. Experiências desagradáveis seriam mais marcantes que as positivas.





Coração 'conversa' com o cérebro, diz estudo
Estudo britânico analisou pacientes com problemas cardíacos. 'Comunicação' cardíaca aciona regiões cerebrais ligadas à consciência.

Caem mortes por ataque cardíaco no mundo
Estudo acompanhou 45.000 pacientes de 14 países, inclusive o Brasil.
Índice de mortalidade baixou de 8,4% em 1999 para 4,6% em 2005.

Fim do fumo passivo evita ataque cardíaco
Estudo feito nos EUA diz que proibição de fumar em lugar público foi crucial. Medida teria evitado cerca de 4.000 infartos em um ano, segundo pesquisa.

quarta-feira, outubro 10, 2007

A representacao social do cientista


Este texto pertence à discussão mensal na Roda de Ciência. Favor comentar lá no site da Roda.

Acredito que o estereótipo mais presente na cultura (popular ou não) é o cientista louco (ver aqui para o conceito e ver aqui para uma lista de personagens na industria cultural). Obviamente é um estereótipo que prejudica bastante os cientistas e o despertar de vocações científicas, especialmente entre mulheres.
Talvez seja tempo de discutir seriamente este estereótipo, pela carga de discriminação que contém: especialmente nos quadrinhos e desenhos animados dirigidos a crianças, em uma verdadeira lavagem cerebral, os vilões são intelectuais e muitas vezes cientistas, enquanto que os mocinhos possuem poderes "naturais" (não tecnológicos), mágicos, e pouco entendem de ciência. Na melhor das hipóteses, o cientista é um ajudante do herói, um ajudante meio atrapalhado por sinal.
Mas precisamos enxergar que este estereótipo não é a-histórico, ou seja, a representação social do cientista teve variações ao longo dos séculos. Um livro que traça essa evolução, os altos e baixos do status cultural da Ciência e dos cientistas, é "A Escalada da Ciência", de Brian L. Silver. Eu o recomendo fortemente, pois faz tempo que não encontrava um livro de divulgação científica com prosa tão gostosa e profundidade nada desprezível. Vejam o sumário abaixo:


A ESCALADA DA CIÊNCIA
Autor: BRIAN L. SILVER
Editora: EDITORA DA UFSC
Edição: 1ª.
Núm. Páginas: 772
ISBN: 9788532802385


Os editores lembram que o autor, falecido em 97, um pouco antes da publicação do livro, "têm consciência de que a ciência pode ter conseqüências desastrosas e insiste num diálogo mais frutífero entre a ciência e a filosofia, insistência que assume maior urgência dados os atuais avanços em genética" (clonagem, por exemplo). O tradutor, professor Arno Blass, ex-membro do Conselho Editorial da EdUFSC, sublinha que para qualquer pessoa interessada, mas intimidada pelo empreendimento científico, o livro prevê uma convidativa visão da disciplina em 774 páginas escritas de forma atraente e acessível. O fato de Brian ter produzido o livro sem diminuir a complexidade ou o poder aterrorizador da ciência, na opinião de Blass, é um feito admirável, que abre a porta à maior aventura intelectual da humanidade, e que revela as muitas maneiras em que a ciência modificou o modo como vemos o mundo e a nós mesmos. A Escalada da Ciência, esclarece o tradutor, é um misto de história e de filosofia de ciência". Misto quente. Quem quer divulgar a ciência, a tecnologia e a inovação tem obrigação de ler Brian L. Silver, por quem o tradutor teve, conforme confessa, uma "identificação à primeira leitura". Ambos têm algo raro em comum: são cientistas que escrevem.

Estoque: Esgotado.
Preço:
R$ 66,00


Esgotado? Enquanto esperamos uma reedição em português, pode-se comprar em inglês aqui.

terça-feira, outubro 09, 2007

Quem são eles? II

Foto: Marlenne Matee, protagonista do filme.


V Ciclo de Palestras e Filmes Científicos do DQ

Exibição do filme: "Quem somos nós?"

Data: 11 de outubro de 2007 ( quinta-feira ) - às 16h00
Local: Anfiteatro do Bloco das Exatas (sala 11 - DE)

Informações: Secretaria do Departamento de Química - Fone: (16) 3602-4386 - E-mail: dq-secretaria@ffclrp.usp.br
Expediente da Diretoria

quinta-feira, outubro 04, 2007

Latex no Blogger


Via Blóg-Ci:
Latex no Blogger
Também é possível instalar o LaTex no Blogger. Eu consegui este tutorial no blog Tricks and Thinks, que apesar do título, é escrito em francês. A versão em inglês pode ser lido na página Latex for Blogger. Para quem não sabe nenhum dos idiomas, seguem os passos:
- Pré-requisitos: Firefox (2.0 ou 1.5) com Google Toolbar.
- Instalar a extensão GreaseMonkey no Firefox.
- Instalar o javascript LaTex for Blogger que faz a conversão do código LaTex.
Pronto! Abra a página de edição do artigo no Blogger. Você verá que existe um botão adicional escrito LaTex. Agora basta escrever o código LaTex entre $$ e clicar no botão que você terá a conversão em segundos. Teste com o código abaixo e veja o resultado.
$$\pi = \int_{0}^{1} \frac{4}{1+x^{2}}$$
Eu fiz o teste e ficou assim no Latex in Blogger

quarta-feira, outubro 03, 2007

Físico contrapõe efeitos especiais de filmes de hollywood à ciência



01/10/2007 - 07h20

da Folha Online



Ciência e Hollywood



Infelizmente, é verdade: explosões não fazem barulho algum no espaço. Não me lembro de um só filme que tenha retratado isso direito. (Pode ser que existam alguns, mas se existirem não fizeram muito sucesso). (Nota de OK: Acho que 2001: Uma Odisséia no espaço, e Aa nova série Battlestar Galáctica obedecem isso...) Sempre vemos explosões gigantescas, estrondos fantásticos. Para existir ruído é necessário um meio material que transporte as perturbações que chamamos de ondas sonoras. Na ausência de atmosfera, ou água, ou outro meio, as perturbações não têm onde se propagar. Para um produtor de cinema, a questão não passa pela ciência. Pelo menos não como prioridade. Seu interesse é tornar o filme emocionante, e explosões têm justamente este papel; roubar o som de uma grande espaçonave explodindo torna a cena bem sem graça.



Recentemente, o debate sobre as liberdades científicas tomadas pelo cinema tem aquecido. O sucesso do filme
O Dia Depois de Amanhã (The Day After Tomorrow)faturando mais de meio bilhão de dólares e seu cenário de uma idade do gelo ocorrendo em uma semana em vez de décadas ou, melhor ainda, centenas de anos, levantaram as sobrancelhas de cientistas mais rígidos que vêem as distorções com desdém e esbugalharam os olhos dos espectadores (a maioria) que pouco ligam se a ciência está certa ou errada. Afinal, cinema é diversão.

Tudo começou em 1902, quando o francês Georges Méliès dirigiu o curta
Uma Viagem à Lua. No filme, seis aventureiros chegam até a Lua em uma cápsula disparada por um canhão. Após sua chegada, os tripulantes são raptados por habitantes lunares com intenções nada amistosas. Os heróis escapam, empurram a espaçonave da beira da Lua de modo que ela caia sobre a Terra, bem sobre o Oceano Atlântico. Tudo no filme está errado, claro. A aceleração de um tiro de canhão potente o suficiente para levar pessoas até a Lua as mataria quase que imediatamente. Cair da Lua é impossível. Desconto a questão dos habitantes lunares, pois na época isto não era sabido. Este filme, o primeiro de uma nobre linhagem indo até O Dia Depois de Amanhã, exagera, inventa ciência para criar um enredo emocionante. A questão então é o que devem fazer os cientistas a respeito, se é que devem fazer algo. Cabe a eles tentar "consertar" a ciência dos filmes, escrevendo cartas e artigos sobre o assunto? Será que faz sentido criticar a indústria cinematográfica pelos erros crassos?

Até recentemente, defendia a posição mais rígida, que filmes devem tentar ao máximo ser fiéis à ciência que retratam. Claro, isso sempre é bom. Mas não acredito mais que seja absolutamente necessário. Existe uma diferença crucial entre um filme comercial um documentário científico. Óbvio, documentários devem retratar fielmente a ciência, educando e divertindo a população. Filmes não têm um compromisso pedagógico. As pessoas não vão ao cinema para serem educadas, ao menos como via de regra. Claro, filmes históricos ou mesmo aqueles fiéis à ciência têm enorme valor cultural. Outros educam as emoções através da ficção. Mas se existirem exageros, eles não devem ser criticados como tal. Fantasmas não existem, mas filmes de terror sim.


Pode-se argumentar que, no caso de filmes que versam sobre temas científicos, as pessoas vão ao cinema esperando uma ciência crível. Isso pode ser verdade, mas elas não deveriam basear suas conclusões no que diz o filme. No mínimo, cinema pode servir como mecanismo de alerta para questões científicas importantes: o aquecimento global, a inteligência artificial, a engenharia genética, as guerras nucleares, os riscos espaciais como cometas ou asteróides etc. Mas o conteúdo não deve ser levado ao pé da letra. A arte distorce para persuadir. E o cinema moderno, com efeitos especiais absolutamente espetaculares, distorce com enorme facilidade e poder de persuasão.

O que os cientistas podem fazer, e isso está virando moda nas universidades norte-americanas, é usar filmes nas salas de aula para educar seus alunos sobre o que é cientificamente correto e o que é absurdo. Ou seja, usar o cinema como ferramenta pedagógica. Os alunos certamente prestarão muita atenção, muito mais do que em uma aula convencional. Com isso, será possível educar a população para que, no futuro, um número cada vez maior de pessoas possa discernir o real do imaginário.
*
Autor: Marcelo GleiserEditora: Publifolha

Páginas: 240

Quanto: R$ 34,90

Onde comprar: pré-venda no site da Publifolha.

Disponibilidade: Lançamento em 15/10/2007


FOTO: Tricia Hefner, Cylonia número seis. Battlestar Galatica foi eleita série de FC mais influente dos últimos 25 anos. A revista Entertainment Weekly fez a lista. Com um Peabody Award - da Universidade da Georgia - no bolso, a série prova, para a revista, que a ficção científica pode retratar dramas humanos como qualquer outro gênero